Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

BRAZIL: RUMOREJANDO OS "ORÉIA SECA".

AURÍCULAS PROTRUSAS
 
www.google.com.br/images. Mestre Yoda, Guerra nas estrelas.

Sérgio Antunes de Freitas

Duílio nasceu com as orelhas apresentando protrusão maior do que o normal. Não chegava a ser orelhas de abano nem motivo forte para apelidos. Apenas um tio costumava dizer que o garoto dispunha de duas orelhas com uma cabeça entre elas. Mas a brincadeira ficava limitada aos risos da família e até do próprio alvo da chacota.
Era de bom comportamento, contudo vivia se metendo nas reinações, como se dizia antigamente, ou nas “aprontações”, como se diz hoje, dos amigos, primos e irmãos.
Assim, não chegava a levar surras de cinta de sua mãe. Apenas uns puxões de orelha poucas vezes ao mês.
Também na escola, mantinha o padrão. Não fazia coisas graves, a ponto de levar admoestações escritas ou suspensões. Mas, como na época não havia restrições aos leves castigos físicos escolares, sempre levava uns puxões de orelha das professoras e, certa vez, da diretora. Ele sempre disse que não conseguia esquecer a sensação das unhas grandes e vermelhas da mulher, cravando as cartilagens posteriores de seu orelhame, sem piedade.
 
www.google.com.br/images
 
O bedel também usava do mesmo expediente, só com mais virilidade, suspendendo o menino até que ele ficasse nas pontas dos pés.
Uma aurícula se posicionava na esquerda superior e os olhos caiam para a direita inferior, olhando para baixo, com um ar de vesguice. E os braços balançando ao léu.
Na verdade, o Duílio não era muito estimado pela sorte!
Perto de sua casa, havia outra, com farto quintal, onde morava um homem bom. Todo ano, o homem permitia que o garoto pulasse o muro, para colher e se lambuzar com algumas mangas, daquelas perfeitas, carnudas, doces, sonhos de moleques e pássaros livres.
Mesmo que o dono não estivesse por lá no momento do banquete, usando da confiança, o Duílio se fartava e, depois, passava por lá, para agradecer o velho amigo.
Entretanto, o homem vendeu sua casa e poucos ficaram sabendo. Assim, na época das mangas de um ano, Duílio, já quase um homem feito, foi surpreendido pela polícia, chamada pelo novo proprietário do imóvel, por estar comendo suas manguinhas, encostado no tronco da frutífera.
Todos para a delegacia de polícia!
O dono da casa, indignado, repetia: - Pede que eu dou, mas não rouba, não!
Esclarecido o caso, o delegado perguntou ao proprietário se queria que lavrasse uma ocorrência.
O homem, buscando mostrar seu espírito bom, mas justo, respondeu: - Não! Dá só um puxão na orelha dele e vamos embora.
Esse fascínio que suas orelhas exerciam sobre os dedos alheios era incompreensível, mas real, principalmente quando cometia seus pequenos erros.
Já adulto, em uma cidade diferente da sua, pediu informações para um desconhecido, a fim de saber se estava na direção certa de seu destino. Quando a pessoa disse que ele estava errado, palavra forte, levou as mãos em conchas à cabeça, para proteger as orelhas.
Em outra oportunidade, mais uma vez, voltou à delegacia de polícia, por conta de um mal entendido. Foi acusado de agressão a animal, por ter pisado no rabo de um gato do açougueiro. Quase foi cortado pela peixeira ensanguentada do carniceiro.
E uma terceira, por ter derrubado a bicicleta mal estacionada pela freira do internato das moças.
 
www.google.com.br/images
 
Nessa última ocasião, o delegado já foi acusando: - Você aqui de novo, Duílio, me dando trabalho? Mas não se emenda mesmo, né?
Algumas horas depois, o Duílio contou que, após esses comentários, o Delegado juntou suas orelhas com as mãos e torceu, como se fossem laranjas maduras.
E complementou: - Ele torceu tanto, que não deve ter sobrado nem uma gota de caldo ou sumo! Eu sentia dois bagaços pendurados na mandíbula.
Por isso, assim como os auxiliares de pedreiro, que carregam sacos de cimento na cabeça, com todas as conseqüências do produto ressecante derramado pelo corpo, foi batizado com o apelido de “Duílio oreia seca”.

Sérgio Antunes de Freitas
11 de janeiro de 2015