Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 25 de abril de 2015

BRAZIL: RUMOREJANDO..."(...) quantos foram assentados nestes 12 anos do PT no Poder?"

RUMOREJANDO

Minha foto
http://rimasprimas.blogspot.com.br/
PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
E como questionava aquele septuagenário, quase octogenário:
 “Faces encovadas e/ou covinhas e/ou ainda quem trabalha em covagem* 
quer dizer que a gente está com o pé na cova?”
*Covagem = Ação de abrir cova (em cemitério). (Aurélio).
Constatação II (Frases consolativas rimadas).
-Receber um salário polpudo, não é tudo.
-Receber uma bolada, não leva a nada.
Constatação III (Frases realistas também rimadas).
-Ganhar um salário irrisório pode-se acabar num ambulatório.
-Auferir um salário anormal arrisca acabar num hospital.
-Não receber o salário em dia acaba com eventual alegria.
-Não receber salário algum pode obrigar a gente fazer jejum.
Constatação IV
Sugestão aos nossos filólogos: Criar a palavra “cobe” = come + bebe,
 quando se referir a uma comida com elevadíssimo teor de água como,
 por exemplo, melancia, melão, pera, manga e/ou outras de igual jaez.
 De nada!
Constatação V
Será que os militantes do MST não se deram conta que, com o dinheiro 
da corrupção, daria para garantir assentamentos para os chamados Sem-Terra,
 com esquemas de escolas para as crianças e saúde para os assentados? 
Afinal, alguém pode informar a Rumorejando quantos foram assentados
 nestes 12 anos do PT no Poder?
Constatação VI (Dúvidas cruciais).
Por que será que o paranaense Rogério Ceni é o único jogador no Brasil
 que sabe bater falta de fora da área? Por que será que técnicos não treinam 
outros batedores de falta? Se a seleção brasileira tivesse convocado o goleiro
 do São Paulo em copas do mundo, no passado, o Brasil poderia estar
 comemorando a vitória de bem mais campeonatos do mundo. E por que
 será que depois das famosas tabelinhas Pelé/Coutinho nunca mais apareceram
 outras duplas de jogadores capazes de repetir essa maravilhosa jogada?
Quem souber, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação VII
E já que falamos em algumas dúvidas cruciais acima, por que será que
 entra governo e sai governo, tanto no âmbito federal, estadual e municipal e não se resolve o problema da saúde, da educação e da segurança? Será que são problemas insolúveis na ótica de todos esses governos? Ou é falta de capacidade, vontade
 e outras ades?
Constatação VIII
Para certas pessoas, ninguém presta. Evidentemente, exceto elas mesmas...
Constatação IX
O guru Millôr Fernandes dizia que fazer terapia de psicanálise era “psicanalhice”
 ou algo assim. Ele também imputou a certos médicos ser pertencente o que ele
 chamou de máfia de branco. A razão dessas, digamos, broncas, Rumorejando 
nunca ficou sabendo, supondo que o Millôr devesse ter lá suas razões. No entanto, especulando é de se supor que talvez porque a psicanálise libera do paciente a
 grosseria latente, ou melhor, a psicanálise do potencial passa a dinâmica sem 
deixar culpa e/ou ressabio. Também sem culpa e/ou ressabio, o assim chamado psicanalista, portanto sem precisar consultar o “seu” – dele – psicanalista, pelo
 preço que cobra em cada sessão... Vige!
Constatação X
Não se pode confundir gerar com gerir, mesmo porque quem gerir mal o
 governo e deixar de investir em usinas elétricas corre o risco de que deixe de gerar energia elétrica como aconteceu no caso do assim chamado apagão
 que ocorreu em nosso país há alguns anos atrás e vem ocorrendo nos últimos 
tempos. Já, em determinadas situações, como em casos de dar a luz, gerar e gerir 
ocorre algo similar: Hoje em dia gerar filhos é fácil. Difícil é gerir a educação da 
nova geração que parece só ter direitos e haveres sem a contrapartida de deveres e obrigações.
Constatação XI (Ah, esse nosso vernáculo).
A prima não prima pelo primaz* primaveril**. Primeiramente, acha ele primata.
*Primaz = “Que ocupa o primeiro lugar” (Aurélio).
**Primaveril = “Diz-se de pessoa jovem, de pouca idade” (Aurélio).
Constatação XII (Quadrinha, de cunho óbvio, elementar, em homenagem a uma das músicas de carnavais imemoriais).
Refiz, pela enésima vez, minhas contas,
Continuou teimando em dar errado.
Sofri um trauma, fiquei às tontas,
“Tá faltando um zero no meu ordenado”.
Constatação XIII
Deu, certa vez, na mídia com a relação a um roubo no MASP: "Eles foram 
direto ao Portinari (O Lavrador de Café, avaliado em US$ 5,5 milhões) 
e no Picasso (Retrato de Suzanne Bloch, que vale US$ 50 milhões)",
 disse o delegado. Este assim denominado autor dessas mal traçadas linhas
 sempre deixou livros, em seu corcel, ano 80, sem que ninguém houvesse se
 interessado em levá-los. Tal revela o grau de interesse pela leitura dos “nossos” surripiadores de plantão. Efetivamente somos um país de baixo nível cultural...
 A propósito: Felizmente a polícia conseguiu recuperar os dois quadros.
Constatação XIV
Se alguém souber de alguma estatal onde não houve esquema de propina,
 favor comunicar à coluna, a fim de que se possa outorgar um prêmio pelo 
ineditismo da medida pelo órgão indicado, vinculado a um dos três poderes
 tanto a nível federal, estadual e municipal. Vige!
Constatação XV
Deu na mídia, mais precisamente no site da Globo: “Fernando Medeiros,
 participante do BBB15, revela suas 18 tatuagens em ensaio de Paparazzo”.
 Taí um assunto de transcendental importância para o futuro da Humanidade.
Constatação XVI
A mídia da semana passada, no mesmo dia, noticiou as mortes do uruguaio 
Eduardo Galeano e Günter Wilhelm Grass que ganhou o Prêmio Nobel de 
Literatura de 1999. Para a Literatura uma morte a lamentar. Como racista
 nada a lamentar... Já, a morte de Galeano, muito a lamentar. Pena!
Constatação XVII
Colaboração do Amigo Nilceu Mario Moro: “Todo convicto é arrogante”.
Constatação XVIII
As mentiras dos governantes vêm sendo de maneira tal que nem a personagem
 do gaúcho Luis Fernando Veríssimo, nas crônicas da Velhinha de Taubaté
acreditaria nelas. Como escreve Veríssimo: “ela acredita em anúncio, acredita 
em nota de esclarecimento, acredita até nos ministros da área econômica”.
Constatação XIX (“Poeminha” para ser recitado diante de determinadas frustrações).
Subi na balança
Na grande esperança
De ter emagrecido
Como a saúde exige.
Vige! Foi um ledo engano.
O meu regime insano
Revelou-se inclemente
Já que de repente
Até a barriga havia crescido.
Constatação XX (Com os agradecimentos ao Amigo Lauro Stresser
 pela dica).
Não se pode confundir fuso horário com horário confuso, até porque
 tem gente que mora naquelas mansões, com metragem quadrada tal,
 que quem entra pela área social está num fuso horário diferente de quem
 entra pela área de serviço o que pode criar dissensões entre a patroa e
 a diarista, achando que ela chegou tarde para o serviço, por causa 
do horário confuso. A recíproca pode ser verdadeira, principalmente
 quando mudam os horários, tipo horário de verão e de inverno.
 E Rumorejando fica por aqui para não ser mais, nesse horário, 
com fuso, digo, confuso.
Constatação XXI
E como elucubrava um obcecado: “O cara que frequenta com a sua
 – dele – mulher uma casa de swing é um cornudo no meio de, no caso,
 outros colegas também cornudos?”
Constatação XXII
E como poetava outro obcecado, nada a ver com o obcecado anterior:
Pode parecer um dialeto, um provérbio ou um jargão
Mas pode-se dizer, sem medo de errar que o cara é um sultão
Só por que ele tem dúzias de namoradas, todas à mão?
Constatação XXIII
Depois de ler a poesia de Rudyard Kipling, intitulada “Se” o pobre do 
operário que havia sido mandado embora do seu emprego, ponderou aos
 demais colegas também despedidos: “Se não tivessem roubado tanto, como
 no caso da Petrobrás e em outros tantos órgãos do governo, nós não teríamos 
sido postos na rua pela nossa firma empreiteira”. Ao que um dos circunstantes,
 que também havia lido a mesma poesia retrucou com amargor:
 “Se a minha vovozinha tivesse roda ela seria um bonde”.
Constatação XXIV
E como ponderava um terceiro operário, também leitor de Kipling e também 
a obcecado, que estava com a cabeça em algo místico, explicando que nas
 condições de pressão e temperatura ele não sabia a quem apelar para
 conseguir novo emprego: “Se algum dia eu tiver que me defrontar com uma alma penada, eu espero que seja com um súcubo benevolente e não com um íncubo maligno”.
Constatação XXV
E como dizia o conquistador barato, convidando uma colega de trabalho para juntos irem comer uma pizza na pizzaria da esquina: “Veja, eu quero unir o útil ao agradável. O útil é matar a minha fome que o meu sofrido estômago já está se fazendo ouvir; o agradável é usufruir da tua companhia, a fim de saciar as reinvindicações do meu absolutamente nada empedernido e, evidentemente, sofrido coração”.
Constatação XXVI
Exatamente há 20 anos, Rumorejando iniciava sua colaboração com o
 jornal O Estado do Paraná. Naquele tempo, este assim chamado escriba
 era um ex-quadragenário, quase sexagenário. Hoje é um ex-septuagenário, 
quase octogenário e, dependendo das circunstâncias, poderá vir a ser não 
só um octogenário, como também um nonagenário e até uma centúria.
 Dificilmente um bicentenário. Tricentenário, nem falar...  Donde se conclui
 o óbvio de que envelheceu também neste período. Obrigado pelo prestígio 
da leitura prezados e fiéis leitores. Vocês, de alguma forma, foram um incentivo
 para que, através de Rumorejando, fosse possível tentar manter sobrevivendo os neurônios sobreviventes deste assim chamado escriba...

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico atrai as atenções; pobre, enche o saco.
Constatação II
Em país rico o sol se põe; em país pobre, ele se esconde.
Constatação III
Rico trata dos problemas com sobriedade; pobre, com futilidade.
Constatação IV
Rico é equilibrado; pobre, destrambelhado.
Constatação V
Rico é ordeiro; pobre, é indisciplinado.
Constatação VI
Rico come manjar; pobre vive sem jantar.
Constatação VII
Rico, pra dar espetáculo, por opção, aprende a dançar tango; 
pobre, sem opção, dança conforme a música.
Constatação VIII
Rico vive com água na boca; pobre tem que engolir em seco.
Constatação IX
Rico é ousado; pobre, é metido.
Constatação X
Rico irradia simpatia; pobre, irradia, fechado no banheiro,
 um lance de futebol como se fosse locutor esportivo, 
culminando com o grito de gol do seu time.