Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

BRAZIL: RUMOREJANDO COM JUCA ZOKNER

Minha foto
http://rimasprimas.blogspot.com.br/
RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I (De um pseudo-soneto).

Sofrimento e/ou Coitado de mim

Senti um amor incomensurável,
Lá no banco, pela minha gerente.
Ela tomou ciência disso e amável:
“Vá pentear macaco! Use seu pente”.

Foi um embargo infringente
Nas minhas boas intenções.
Ela me deixou descontente
Com minhas perdidas ilusões.

Resolvi mudar de agência
Para curar a minha amargura
Dessa espécie de insolvência.

Não é que ela foi transferida
Exatamente para a mesma lonjura.
Aí tudo ficou na tristeza já sofrida.

Constatação II (Mero desprezo ou imbecilidade? Dúvidas cruciais).
Quando a governadora do Maranhão diz que o que aconteceu em Pedrinhas se deve que o Maranhão está ficando rico, ela está debochando da nossa inteligência ou, como todo político ela subestima seus leitores e ouvintes, ou ainda ela está às tintas o que vão achar e pensar a respeito dela? Quem souber, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação III (De uma dúvida não necessariamente crucial. Perdão, caros leitores, por antecipação).
Foi o siri que, por estar brigando com a mulher, que não parava de tocar gaita, aí a chamou de sirigaita?
Constatação IV (De outra dúvida. Também como a anterior, não necessariamente crucial).
E foi o porco-espinho que gritou para a sua – dele – mulher: “Você é um espinho, uma espetadela na minha sofrida existência”?
Constatação V (De uma quadrinha para ser recitada onde houver ouvintes dispostos a escutá-la, ainda que com um ou outro ponto nebuloso, isto é, não devidamente esclarecido).
Se você enveredar por uma rua
E notar que um mulherão está te seguindo
Nesse auspicioso caso você não recua
E pergunta: “É pra lá que você está indo?”
Constatação VI (De uma dúvida crucial. Para uns, um sonho; para outros, um pu, digo, um baita pesadelo).
Ele sonhou que era deputado
E, no sonho, àquela tentação:
“Devo ficar sempre comportado,
Ou reivindicar o tal do mensalão”.
Constatação VII (De uma quadrinha para ser recitada por quem tem imposto de renda descontado na fonte).
Desenvolvi um tema
Facílimo de explicitar:
Diante do leão não trema
A Receita vai te reembolsar.
Constatação VIII
Este assim chamado escriba não acredita em reencarnação e não gostaria de polemizar a respeito. Sem querer ofender os que acreditam, o assim chamado escriba questiona se quem foi uma pessoa boa, que fez o bem, não cometeu pecados irá reencarnar nos países nórdicos? Quem cometeu pecados e demais irá reencarnar na África, ou em certos países da Ásia ou na América Latina, Brasil incluso?
Constatação IX
Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “Rombo da Previdência cresce e governo quer apertar regras para benefícios. Déficit cresceu de R$ 42,3 bi em 2012 para R$ 49,9 bi no ano passado; um dos planos é endurecer as regras para a concessão de auxílios-doença e aposentadorias por invalidez”.
Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando teme que depois desses planos de endurecer as regras, a Previdência tome, também, a providência de contratar pistoleiros, médicos ou não – o que em nosso país não é difícil encontrar – para ir paulatinamente liquidando os aposentados. Vige!
Constatação X
Não se pode confundir rapacidade com capacidade, muito embora para certos políticos e governantes, acrescidos de alguns simples mortais, quem não utilizar a rapacidade demonstra ser uma pessoa com falta de capacidade. A recíproca não é necessariamente verdadeira.
Constatação XI (Digressões em torno de assuntos de transcendental importância para o futuro da Humanidade).
Toda gata bombada e/ou siliconada não se importa em vestir um biquíni fio dental ou mostrar ou quase mostrar os seios. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando pensa que é por não estar mostrando exatamente o original, já que passou para uma condição, de certo modo emprestada, não totalmente a anterior dela. Vige!
Constatação XII

 Diálogos meio acerbos com final surpreendente.

Quando ela me chamou de fajuto
Depois de ter obtido de mim desfruto,
Como se eu fosse apenas um reles produto,
Aquilo me deixou infinitamente diminuto.
Fiquei tão arrepiado que senti até meu cabelo hirsuto.
Logo eu que sempre me considerei impoluto,
Possuidor de impecável atributo,
De comportamento ilibado; de maldade, devoluto.
Com essa corrupção grassando, seria taxado de matuto,
Por nunca, nunca, jamais, ter sido dissoluto.
Aí resolvi tomar uma providência, resoluto,
Já que certos assuntos eu não discuto.
Ela, no embalo que estava ainda me chamou de cornuto.
E eu: “Não adianta. Eu não te escuto.
Aqui eu não fico nem mais um minuto.
E nem quero o teu salvo-conduto.
Chega de sustentar teu luxo, tanto que eu labuto.
Não vai ser difícil você arrumar um substituto
Que se disponha a te prestar tributo.
Pegue, no meu lugar um songamonga. Não um astuto
E que também não seja um cara arguto.
Que comungue pelo teu execrável estatuto.
E ela: -“Tomara que você pegue escorbuto
E que nem te adiante a injeção, dolorida, de bismuto.
E assim a dor e a doença atinja o ápice, o cocuruto.
Àquela que, após, algumas pessoas ficam de luto.
E no inferno te queimem as partes com charuto”.
-“Essa tua grosseria eu nem computo.
Palavras ásperas com você eu não permuto
Você sabe que eu não sou um sujeito bruto
Ao contrário. Eu sou um cara limpo, enxuto.
Mas, você, ta precisando se medicar pelo instituto!
Daí, talvez, tua neurose melhore e sofra um reduto.
Eu vou ter com a gata que me abordou no aqueduto
No bonde no Rio de Janeiro que circula naquele duto.
Afinal, a bola vindo à minha direção, eu chuto”.
“Vá! Por mim você pode ir até pra... Maputo.
Mas antes de ir venha me dizer adeus, que importante eu reputo.
Eu não falei em me beijar. Com a tal gata eu não disputo.
Puxa! Você está me tirando a roupa. Ah, meu bem, daí, eu não reluto...

Constatação XIII
Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “Porto Alegre - O secretário geral da Presidência da República, ministro Gilberto Carvalho, disse no Fórum Social Temático Crise Capitalista, Democracia, Justiça Social e Ambiental, em Porto Alegre, durante a conferência "Contra o Capital, Democracia Real", que algumas esferas do governo consideraram 'ingratidão' a realização das manifestações populares de junho, quando milhares de pessoas foram às ruas por melhorias nos serviços públicos. O secretário geral da presidência da República, ministro Gilberto Carvalho, admitiu que governo e movimentos sociais aliados ficaram "perplexos" com os protestos de junho do ano passado, quando milhares de pessoas foram às ruas pedir qualidade no serviço público e expressar contrariedade com a Copa do Mundo no Brasil. Ao mesmo tempo afirmou que a direita ‘inicialmente fez festa’ por entender que as manifestações se configuravam como contrárias à administração federal”.
Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando gostaria de saber por que, até agora, o governo não procurou resolver a excrescência dos serviços, dentre outros, de Educação, Saúde e Segurança no país. Estes os mais prementes e urgentes. Quem puder perguntar a S. Excia. e aos demais partícipes do atual governo – a senhora presidente da República inclusa – e conseguir obter uma resposta de preferência plausível, por favor, comunique através do blog para que se possa informar aos nossos prezados leitores. Obrigado pela atenção.
Constatação XIV
Como é do conhecimento dos prezados leitores do blog deste assim chamado escriba, no dia 9 de dezembro próximo passado lancei, na Livraria Cultura do Shopping Curitiba, o meu segundo livro, intitulado 150 Sonetos & 1 Sonetão (Pseudos). Até a presente data, recebi várias manifestações de alguns leitores que lá compareceram para me prestigiar, pelo menos para mim, o feliz evento. Transcrevo a seguir alguns fatos inerentes ao livro: 
Um leitor, de idade entre 60 e 70 anos, casado, em segundas núpcias com uma cidadã de cerca de 40 anos ou menos, ao ser informado, por mim, que dos 150 sonetos, 40% eram eróticos, externou o seguinte reparo: “Então eu não vou mostrar o livro para a minha mulher para ela não se assanhar”.
Um segundo leitor, muito amigo da família, me ligou e disse: “Juca, eu estou lendo devagar o teu livro e tenho um reparo a fazer”. Respondi: “Por favor, faça. Eu sempre estou disposto a receber críticas sejam favoráveis ou não. Sou todos ouvidos”. E ele: “O teu livro deveria ser proibido para menores de 18 anos”.
A uma leitora, viúva, a quem eu pedi seu endereço eletrônico, a fim de enviar fotos que foram efetuadas no lançamento do livro, contei a história do “proibido para menores de 18 anos”. E ela: “Não só para menores de 18 anos, mas para viúvas também”...
Constatação XV
O Fórum Econômico Mundial encerrou sua reunião anual em Davos. O FMI elevou sua previsão de crescimento mundial em 2014, de 3,6% a 3,7%. Larry Fink, presidente do BlackRock, o maior fundo de investimento do planeta com mais de 4 trilhões de dólares em carteira, pediu prudência.
Por várias vezes, Rumorejando fez referência no blog à Taxa Tobin que, segundo a Wikipédia “é um tributo proposto pelo economista americano James Tobin, da Universidade de Yale, laureado com o Prêmio Nobel de Economia em 1981. Esse tributo incidiria sobre as movimentações financeiras internacionais de caráter especulativo, que deveria variar entre 0.1% e 0.25%”. Se o prezado leitor levar em conta que os 4 trilhões de dólares sejam de caráter especulativo e sobre a sua movimentação incidisse a taxa de 0,1 %, teríamos 4 bilhões de dólares; Se a taxa fosse de 0,01% teríamos 400 milhões de dólares. Este valor já daria para fazer investimentos para ajudar a eliminar a fome do mundo. Como isso jamais vai ocorrer e as distâncias entre pobres e ricos continuará na base de 1% da população do mundo detendo a metade do PIB mundial, Rumorejando propõe, respeitosamente, que essas reuniões todas devem mudar de nome, por exemplo, para Fórum Mundial da Empulhação. Reunião dos G8 ou G20 para Reunião de Nada ou de para G Zero e que todos os participantes vão à pqp. Tenho dito e, se for preciso, assino em baixo e reconheço a firma em cartório (Cartório? Outro achaque nos pobres mortais).
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br 
Site: www.rimasprimas.com.br