Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

MULHERES...porque um elogio é bom!


Estrelas do Mar, do Céu, da Terra.
Sérgio Antunes de Freitas

Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
     Que tristes os caminhos, se não fora
A presença distante das estrelas!
 
www.google.com.br/images

Em aulas de artes, aprendemos a desenhar cubos, entre outras coisas, para treinar a representação das proporções e das perspectivas.
Simples é a visão frontal: quatro linhas, as arestas da figura, um quadrado perfeito, facilmente construível.
Girando-se o volume imaginado verticalmente, aparecem mais três linhas, mostrando as faces frontal e inferior – ou superior - da peça, com as linhas laterais buscando um ponto de fuga.
A partir dessa posição, agora girando o cubo horizontalmente, aparecem mais duas linhas novas e todas passam a se inclinar mais claramente na direção dos seus respectivos pontos de fuga.
Considerando a complexidade, nove é número que, com perfeição, só mesmo os bons mestres dominam.
www.google.com.br/images. Leonardo da Vinci. Homem vitruviano

Disse-me um professor: - Nessa tarefa, quando se erra um traço a lápis, basta passar outro por cima do emaranhado dos rabiscos ou tantos quantos forem necessários, mas sem exagero, tentando-se obter uma linha correta, no que respeita a comprimento e ângulo, e se atingirá o ponto de comunicação desejado.
Não se usa a borracha. O olho de quem mirar o desenho se encarregará de obter uma espécie de determinante entre o conjunto de traços, representando, no cérebro, a linha certa.
Talvez essa hipótese explique simploriamente a afeição que o homem tem pelas artes abstratas.
Em resumo, o olho humano, se não houver outros interesses, corrige as falhas das imagens, vendo aquilo de bom, desejoso de se ver.
www.google.com.br/images. O pintor e escultor colombiano Fernando Botero e uma de suas muitas mulheres...


Partindo-se desse princípio, é um exagero a reação da mulher, quando encontra uma estria em sua coxa ou uma ruga nos cantinhos dos olhos.
Para a desprevenida, é o caos!
Que coisa mais linda e inebriante é o pé-de-galinha nos olhos de uma balzaquiana feliz!
Como já ouvi dizer que as mulheres se embelezam mais para as outras mulheres do que para os homens, acredito ser as preocupações com imperfeições em seus corpos também frutos desse raciocínio. Fala mais alto a concorrência instintiva.


"Depois de conquistar seis prêmios no Grammy e ser reconhecida no mundo inteiro, a cantora Adele resolveu investir em uma nova carreira, a de Modelo Plus Size."

O conceito de que o corpo feminino, para ser bonito, deve seguir o padrão televisivo, altamente comercial, descarta praticamente todas as mulheres com idade acima de vinte e um anos e, abaixo disso, as contempladas com qualquer marca de nascença, cicatriz, pinta ou pelinho em lugar não convencional. Sobram apenas as menores de idade, abusivamente maquiadas e fantasiadas.
Nossas musas sofrem por causa de um detalhe o qual, nós, homens observadores de todas as partes, jamais enxergaremos.
Tergiversando, no sentido de procurar rodeios, eu diria necessitarem, essas mulheres, conhecer mais sobre a famosa escola estética da Bau-Haus, aquela que provou ser bonito o que é útil. A forma segue a função, para lembrar um chavão conhecido.

www.google.com.br/images. Fernando Botero

A mulher é naturalmente bela, independentemente das roupas de boutique, dos cremes anti-rugas, acessórios da moda, cirurgias de risco, preconceitos de momento.
Nem é necessário lembrar que a magia, a leveza de movimentos, o olhar – a sua melhor ferramenta multifuncional, enfeitiçam mais do que um traço perfeito.
www.google.com.br/images. Woopi Goldberg em A cor Púrpura 1985.

E, se abusa de boa cultura, inteligência, segurança, simpatia, bondade, compreensão, personifica a imagem de Vênus.
De primeira, segunda ou terceira grandeza, toda menina, de qualquer idade, é estrela, no mínimo, para os homens que a amam ou a olham.
Mulher, quando se sente bonita, é porque já está simples e linda, como uma poesia de Mário Quintana, igual àquela lá de cima.

Sérgio Antunes de Freitas