Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

sexta-feira, 26 de junho de 2015

BRAZIL: Pelé, faz um gol para mim?

O PAI DO PELÉ

www.google.com.br/images. O filho do Sô Dondinho começando a brilhar no time Noroeste da cidade paulista de Bauru.

Sérgio Antunes de Freitas

Fui provocado pela notícia de que um jornalista famoso procura por histórias do pai do Pelé.
De histórias, o filho é recordista, mas o pai também merece muitos encômios, na forma de lembranças.
Resolvi, então, contar um episódio que se passou há mais de meio século e, acredito, sou o único vivo que presenciou.
Foi em agosto de 1961, quando eu tinha sete anos.
Seu Dondinho trabalhava no Centro de Saúde de Bauru, juntamente com meu pai, dentista. Se não me engano, ele era motorista da entidade pública. Por isso, nos conhecíamos e eu encontrava-o às vezes.
Eu morava na Rua Alfredo Ruiz, n.º 3-47, e ele morava próximo, na Rua 7 de Setembro, em uma casa que hoje está praticamente em ruínas, mas deveria ter sido transformada em museu do Rei do Futebol, trazendo vantagens turísticas para a cidade. Lamentavelmente, não houve dirigente público com essa visão.
Seu Dondinho costumava passar em frente a minha casa, para ir ao Bar do Seu Justino, que ficava na esquina, no lado oposto e no quarteirão de baixo. Sempre elegante, preferia camisas azuis claros, se minha memória não falha. Ou terno branco, com chapéu também branco.
www.google.com.br/images. O rei Pelé.


Quando o via, atravessava a rua correndo e pedia: - Seu Dondinho, quando é que eu vou conhecer o Pelé?
Ele sempre se dirigia a mim e a outras crianças com um sorriso carinhoso e palavras de esperança, prometendo que atenderia, quando fosse possível. Como se dizia na época, era um “gentleman”!
Muitas vezes, quando estava no bar com seus amigos, eu levava uma folha de papel, para fazer o famoso bolão, no valor de um cruzeiro, do próximo jogo do Noroeste, o time da cidade no Campeonato Paulista.
Todos eles davam palpites absurdos, com resultados de 8X7, 9X9, 11x4, para se divertirem comigo. Na inocência de criança, quando ninguém acertava, eu devolvia o dinheiro para cada um, em vez de fazer o papel de banca de jogo e ficar com o dinheiro. Eles riam e me mandavam entregar o dinheiro para o Seu Justino, que sempre me retribuía com um refrigerante de guaraná.
Naquele mês, quando soube que o time do Santos iria jogar no domingo contra o Noroeste, fiquei ansioso por apresentar o bolão ao seu Dondinho. E ele cravou 7X1 para o time do seu filho, justificando: - Desta vez, eu aposto contra o Noroeste, claro!
Eu assisti ao jogo e o placar foi exatamente esse, com quatro gols do Atleta do Século.
Na segunda-feira, após uma vigília no portão de casa, corri para entregar o dinheiro a ele, que não aceitou, dizendo que havia jogado para mim.
E os seus amigos adoraram zoar: - Que isso, Dondinho? Mandar o filho fazer quatro gols, só para ganhar o bolão do Serginho? Vamos denunciar na Federação!!!
Mas isso aconteceu um ano depois de ele ter cumprido sua promessa.
Em abril do ano anterior, ele havia dito para meu pai me levar à sua casa, pois o Pelé havia tido uma permissão para resolver problemas pessoais em Bauru e, no dia seguinte, jogaria contra o Botafogo do Rio, no Maracanã.
No encontro, ele disse que faria um gol para mim.
No dia seguinte, eu e meu pai grudamos no aparelho mais importante da casa, para ouvir o jogo pela Rádio Nacional. Em entrevista antes do jogo, o Pelé confirmou que havia prometido fazer um gol para um garotinho de Bauru.
Meu pai vibrava mais do que eu!
Eu adormeci logo depois, mas, na manhã seguinte, corri para perguntar ao velho sobre o resultado do jogo e sobre meu prometido gol.
Meu pai me informou que o jogo havia sido 3X0 para o Botafogo!
Resultado de imagem para santos x botafogo 1962
www.google.com.br/images. O seca-pimenteira que impediu o gol do garotinho de Bauru. O cara é tão chato que "Chato" sobe nele e desce vazado! rsrsrs

E concluiu, bem-humorado: - Tu seca até o Pelé, heim?
Foi quando eu aprendi que há coisas que só acontecem para o Botafogo do Rio. Ou para quem joga ou torce contra ele!

Sérgio Antunes de Freitas

21 de junho de 2015