Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

BRAZIL: "Rico é rechonchudo; pobre é inchado."


RUMOREJANDO

http://rimasprimas.blogspot.com.br/
PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
No primeiro discurso após ser reeleita presidente da República Dilma Rousseff disse: “Quero ser uma presidenta melhor do que fui até agora”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que a solução é simplíssima: Qualquer coisa que ela vier a fazer – se fizer – estará sendo melhor do que foi até agora...
Constatação II
Deu na mídia, mais precisamente no site do Estadão: “Número de deputados estaduais estreantes em São Paulo cai 26%”. Taí uma notícia de transcendental importância para o futuro da Humanidade, em geral e para o estado de São Paulo, em particular. Vige!
Constatação III
Não se pode confundir mola com amola, muito embora se você tiver uma mola que está fora do lugar do teu colchão, da tua poltrona te cutucando por estar, como muitas pessoas extremamente salientes  ela, sem dúvida  te incomoda, te amola, mormente se estando te molastando, digo, molestando em lugares do teu corpo muito sensíveis...
Constatação IV
Quando o obcecado leu na mídia que a Índia ordenou a prisão de Richard Gere por beijo "obsceno", cuspiu três vezes para o lado e exclamou: “Data vênia, como dizem os juristas, mas pra mim o que é obsceno é não beijar pelo menos na boca”. E mostrando intimidade com o ator: “O Richard beijou na bochecha da atriz, cáspite! Pior que este é só o na testa”
Constatação V
E como lucubrava, de maneira a René Descartes, o sujeito decente que havia recebido vários insistentes convites para entrar na política: “Penso, logo desisto”.
Constatação VI
Cada vez mais este assim chamado escriba acha que o trote, digamos, civil e militar deveria ser proibido em todo o mundo. Animais em circo também. A caça idem. A lista de Rumorejando vai longe. Por ora, ficamos por aqui. Mas a lista é imensa. Lamentavelmente.
Constatação VII
Com uma tanga,
Transparente,
Mabalanganga*,
Aderente
E mais nada,
Ela dá braçada,
Na beira
Da ribeira,
Deixando
Bufando
O namorado
Danado,
Amuado
Enfezado,
(Coitado!).
Com receio
Que nesse permeio
Algum conhecido
De antanho
Ou um estranho,
Também despido,
Ou mesmo vestido,
Venha mergulhar
E olhar
Pras vergonhas
Da sua namorada.
“Cambada
De pamonhas!”,
Teria falado
Educada
E respeitosamente,
Tão-somente.
*Mabalanganga = n adjetivo e substantivo de dois gêneros
1          que ou o que é pintalgado de branco e preto
1.1       Derivação: frequentemente.
m.q. carijó (diz-se esp. de galináceo); malhada (Houaiss).
Constatação VIII
Quem nunca ouviu o Quinteto Armorial não sabe o que está perdendo. Infelizmente hoje já não existe mais, contudo restaram suas gravações, inclusive em CD. QueRumorejando saiba, hoje em dia, só há apresentações de Antônio Carlos Nóbrega que tocava, no grupo, instrumento de corda e, hoje em dia, se apresenta, com muito sucesso, sozinho.
Constatação IX (De diálogos esclarecedores).
Perguntou o amigo para o obcecado convencido: “Você não fica com dor de consciência quando você trai a tua mulher?” “Nem um pouco”, respondeu o obcecado convencido. “Se, por um lado, eu estou traindo a minha mulher, por outro, eu estou fazendo uma boa ação para as outras”.
Constatação X
Três rápidos exemplos de filhadapu...ce: 1. Pôr pra fora cães e gatos, principalmente na época de férias pra não pagar hospedagem em hotéis que existem também para tais ocasiões; 2. Deixar o carrinho do supermercado atrás de outros carros com preguiça de conduzi-lo a um lugar que não atrapalhe a vida de ninguém; 3. Tendo em vista o pequeno lucro dos bancos comerciais (sic), valores das correções da Caderneta de Poupança de certos anos da década de 80 e 90 que não tivessem sido reclamados, até o fim de determinado mês, ficariam para os próprios bancos. E mais, quem conseguisse os extratos, teria de entrar na Justiça para reaver o dinheiro do governo que corrigiu erroneamente os valores. Consequentemente, teria que contratar um advogado. Os bancos para fornecer os extratos não só demoraram, demonstrando má vontade no fornecimento como cobraram, na época de 7 a 8 reais por folha. Dúvidas cruciais: Por que aos bancos? Por que, ao menos, não destinaram para a Educação e/ou Saúde? Alguém já viu filha da pu...ce maior? Quem já viu, por favor, comentários no blog. Obrigado! Em tempo: Viva “nóis”.
Constatação XI
E já que falamos no assunto, atualmente, alguns bancos apresentam lucros trimestrais de cerca de 4 bilhões. E os juros anuais chegaram na estratosfera. Cambada de fdp!
Constatação XII
Deu, certa vez, na mídia: “À vontade, na prisão, Maluf toma cerveja e come pastel”. Taí uma notícia que foi, é e sempre será de transcendental importância para o futuro da Humanidade. Vige!
Constatação XIII
A mulher
Achou
Uma impostura,
Um simulacro
Quando ele, um advogado,
Chegou
De madrugada
Alegando uma desculpa
Qualquer.
“Data vênia”,
Ela ironizou,
“Não me venha
Com esse papo furado.
Você é um caradura,
Fingindo ser sacro,
Sem nenhuma culpa.
Eu te massacro,
Te transformo num eunuco,
Numa enxerca*
Eu sei que você ficou
Jogando truco,
Seu maluco,
Seu descarado
E tomando cerveja
Tomara que te
Dor profunda,
Brotoeja,
Comichão
Na bun, digo, na cacunda”.
Ele que havia pulado
Uma senhora cerca
Com a vizinha do lado,
Até manca de tão bem dotada,
Achou
Que ainda ficou barato
E se ajoelhou,
Meio sem jeito,
Para pedir perdão
Que não foi aceito
Nem de fato,
Nem de direito.
Coitada!
Coitado!
Coitado?
*Enxerca = “Operação que consistia em retalhar a carne das reses e pô-la a secar ao sol ou ao fumeiro”. (Aurelião).
Constatação XIV (De uma dúvida crucial).
Quando um político, empolado ou não, discursa, de improviso ou lendo, dizendo que vai realizar isso e mais aquilo, dando a entender que, graças a ele, todos nós viveremos felizes para sempre, trata-se de uma mera questão do emprego de sintaxe, de semântica ou de quê? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Muito obrigado.
Constatação XV
Não se pode confundir pilhas com filhas, muito embora a gente fique com pilhas de nervos com essas atitudes filhas da p. de alguns dos nossos governantes e políticos. A recíproca, nesses casos, pode ser até verdadeira. Depende onde as pilhas serão utilizadas, como por exemplo, em equipamentos eletrônicos, em altíssimos decibéis, por quem tem filhos e filhas.

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico é persistente; pobre, é teimoso.
Constatação II
Rico apadrinha; pobre, tem que assumir.
Constatação III
Rico é imortalizado na divulgação de eventos sociais, culturais, filantrópicos e por aí afora; pobre, é imortalizado na divulgação de eventos, citados nas colunas policiais.
Constatação IV
Rico tem sofreguidão; pobre mete os pés pelas mãos.
Constatação V
Rico é rechonchudo; pobre é inchado.
Constatação VI
Rico vê as horas no seu Patek Phillipe automático gold rosé fases da lua; pobre tenta se orientar somente pelo sol.

FÁBULA CONFABULADA, INDIGNA DO GURU MILLÔR.
Numa região autônoma chinesa, quase limítrofe com o Quiguistão e não longe da fronteira do Cazaquistão, um pulinho, de avião, da Mongólia, vivia uma família, constituída pelo pai Reh Beh Nyu, pela mãe Roh Shin Keh e pela filha Shein Zuh Dek. O casal se dedicava às atividades agrícolas, numa área de terra que havia sido adquirida na reforma agrária que a China havia promovido no fim da década de 1940 e começo da de 50 e que o casal havia herdado. Shein Zuh Dek estudava e ajudava a mãe nas tarefas da casa. Quando na China começou uma pequena abertura em sua economia, Reh Beh Nyu anteviu a possibilidade de adquirir um empréstimo bancário, a fim de executar na sua agricultura familiar alguns pequenos investimentos como um pequeno silo, uma colheitadeira, esta, juntamente com outros vizinhos, numa espécie de condomínio. Havia necessidade de ir para Xangai, a fim de manter contato com os encarregados do banco que se intitulava de fomento e que era formado por capitais privado e estatal, nos primórdios da abertura da economia chinesa. E lá foi Reh Beh Nhu conversar com o, digamos, gerente do banco.
Após explicar a razão da sua visita ao gerente, este falou que, como Reh Beh Nyu não tinha conta corrente, ele precisava de reciprocidade. “O que é isto?”, perguntou, já que jamais tinha ouvido pronunciar tal palavra. O gerente, sem muitas explicações claras e convincentes, ofereceu algumas ações do banco e que aumentaria o empréstimo, retendo a importância para tal. Reh Beh Nhu alegou que não estava em condições de fazer aplicações fora de sua atividade nem achava necessário entrar em esquemas do decadente capitalismo de tantos países, principalmente do Ocidente. “Mas é um bom negócio”, argumentou o gerente. “O nosso banco, à semelhança como certos bancos de um país no Ocidente, mais precisamente, no Brasil, como o Econômico, Bamerindus, Nacional, Noroeste são bancos sólidos que estão dando bons dividendos”. “Mas eu não necessito ganhar dinheiro fora da minha atividade”. O gerente fez de conta que não ouviu ou não entendeu e falou em seguro do automóvel. “Eu não tenho carro. Tenho uma carroça que é puxada por uma junta de bois. Não vou segurar os meus bois nem a carroça. Qual a necessidade disso?”. “Não importa. Tem que fazer seguro de qualquer jeito, como se fosse um carro. E seguro contra incêndio do silo e dos bens que serão dados em garantia”. “Mas, eu ainda nem construí o silo. Só vou levantar o silo quando tiver o dinheiro pra comprar o material. Por ora, não necessito”. “Espere um minuto que eu vou lhe dizer quanto deverá sair todas as parcelas que compõem a reciprocidade”, falou o gerente, pondo-se a usar um ábaco, muito usado pelos chineses antes do advento da máquina de calcular. Quanto o gerente forneceu o valor, Reh Beh Nyu teve um sobressalto e reiterou que não necessitava de tais “acessórios e firulas inócuas para as suas necessidades de expansão”. “Se for assim eu não posso conceder o empréstimo. São ordens da central”. “Tá bem. Eu preciso do empréstimo. Com capital próprio, que eu não possuo, eu não faria nada do que eu estou idealizando. Aceito as condições da tal reciprocidade, mesmo achando que não são necessárias”. E assim se fez.
Moral: Manda quem pode. Obedece quem não necessita.