Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 3 de junho de 2013

BRAZIL: RUMOREJANDO COM JUCA [JOSÉ] ZOKNER.


RUMOREJANDO

Juca Zokner

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Rico tem cóccix; pobre, sambiquira.
Constatação II (Coisas assaz recomendáveis que não se deve fazer).
-Chamar leão de chácara para brigar;
-Dizer ao garoto que não precisa cuidar do carro;
-Por mais cuidado que se tenha para ver se alguém esteja olhando e mesmo com bigode e barba postiços, jamais entrar em certos tipos de inferninhos nem que seja somente “para ver como é que é”;
-A fim de evitar acidentes irreparáveis, cortar melancia, abacaxi, jaca e outros produtos comestíveis de casca grossa, apoiando a dita no colo e/ou próximo deste;
-Contrariar o chefe imediato e/ou a mulher dele;
-Querer ganhar no truco deste assim chamado escriba;
-Não dizer “grande m.”, se o sujeito disser: “o senhor sabe com quem está falando?” Pode efetivamente ser uma “otoridade”;
-Chegar tarde em casa transcendendo vapores etílicos, manchas comprometedoras na camisa e não ter condições de “comparecer”;
-Vestir a camisa do seu time do coração e entrar por engano ou para provocar no meio da torcida do adversário em dia de jogo;
-Esquecer-se de tomar os remédios.
Constatação III
Rico tem discopatia (“afecção de um ou mais discos intervertebrais”. [Houaiss]); pobre, bico de papagaio.
Constatação IV
Rico é perseverante; pobre é teimoso.
Constatação V
Ricaça tem penugem; pobretona, bigode.
Constatação VI (Dúvida crucial de razões e proporções matemáticas).
Será que o Brasil está para a Copa das Confederações assim como o meu Paraná está para o Brasileirão Série B?
Constatação VII
Não se pode confundir aplacar com aplicar, até porque se você se deixar alguém te aplicaralgum golpe por te levar no papo, a fim de extorquir algum dinheiro e você, ao se dar conta, ficar com raiva não adianta tentar aplacar nem que fosse seja daqueles que perdoam quando te fazem uma sujeira que não vai conseguir. Tampouco reaver teu dinheiro, mesmo fazendo um Boletim de Ocorrência na polícia...
Constatação VIII
Sugestão aos cariocas. As palavras: mixuruca, enxurrada, enxada, enxame, muxoxo, maxixe, piche, paxá puxa, caixa, coxa, deixa, graxa, ameixa, nicho, mecha, mixê, e tantas outras dispensam a pronúncia com “ch” já que já que elas vêm naturalmente como tal, como fazem com as palavras com ‘s’. Essas mencionadas já vêm prontas.
Constatação IX (De um pseudo-soneto).

Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço.

Ela era de uma grosseira tal, mas tão grosseira,
Que até um simples cumprimento de “bom-dia”,
Ela não conseguia dar resposta afável, com cortesia,
Achando que seria uma bobagem, uma besteira.

O fato suscitou uma ideia espontânea já que era o seu costume
Por pessoas, baseadas em que lhes era dado a ouvir e ver,
Sugeriram que no país fosse instituída a eleição de miss azedume
Que a eleição estaria garantida e a cidade iria na mídia aparecer.

Com isso o turismo local cresceria e, com isso, deveria aumentar,
Criando riquezas, empregos, já que na cidade havia tal carência,
Aí foram falar com ela, para tentar convencê-la a participar.

Quando falaram com ela sobre o assunto, sem a cumprimentar,
Temendo uma bronca, de serem atendidos com insolência,
Ela falou a eles: ”Vocês vêm falar comigo sem antes me saudar?”

Constatação X
E como dizia o obcecado convencido: “Cara que paga uma mulher para fazer amor com ele é um incompetente. VIGE!”
Constatação XI
Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “Jersey manda 1,45 mi de libras de empresas de Maluf para Prefeitura de SP. Segundo a Justiça, quantia faz parte do que deputado desviou de grandes obras viárias em sua gestão.
 “A quantia faz parte do montante global de US$ 28,3 milhões – a cifra atualizada com juros e correções, além de multas – que a Corte de Jersey mandou as empresas Kildare e Durant, controladas pelos Maluf, devolverem até junho aos cofres públicos municipais. O dinheiro das ‘offshores’ está bloqueado em uma instituição financeira e será todo transferido para São Paulo”.
“Maluf foi condenado em Jersey por "fraude em ampla escala" – segundo o Ministério Público paulista, quando exercia o cargo de prefeito de São Paulo, entre 1993 e 1996. Maluf desviou dinheiro de grandes obras viárias, como a Avenida Águas Espraiadas. Maluf sempre afirmou que nunca possuiu ativos no exterior. Ele nega ter desviado recursos públicos de obras em sua gestão”. VIGE!
E já que falamos no assunto, não é que Rumorejando queira se meter na política de outras plagas, mas a mídia noticiou que Maluf, quando candidato pela enésima vez ao cargo de governador, prometeu acabar com as enchentes em São Paulo. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando gostaria de saber por que o candidato já não havia feito nas suas – dele – administrações anteriores. Quem souber a resposta, no caso específico de São Paulo e de casos similares em outras plagas, por favor, comentários no blog. Obrigado.

Constatação XII (De um pseudo-soneto).

Conselhos úteis

Em incertos e determinados países,
Que estão volta e meia em crises
Não é muito comum, muito regular,
Não acontecer infecção hospitalar.

Em alguns casos, corre-se o risco
De ter operado, do joelho, o menisco
Com pequenino engano: do pé direito,
Quando o esquerdo é que tava com defeito.

Se o prezado amigo tem plano da saúde,
Certas doenças não têm enquadramento
E, isso, é pena, vem acontecendo amiúde.

Portanto, caríssimo amigo e meu leitor,
Trate de ficar doente no que você é isento
Caso contrário você sofrerá de dupla dor...

Constatação XIII
E como lucubrava o septuagenário: “Com a idade tudo aparece. E, também, desaparece...
Constatação XIV
Todo déspota esclarecido logo, logo, passa para déspota obnubilado. O Poder é que deixa-o obnubilado. Que, aliás, deixa obnubilado, também, quem não é déspota.
Constatação XV
Rico faz aniversário; pobre faz anos.
Constatação XVI
Ela perdeu
A ponta
Do retrós
Quando deu
Uma maçaroca,
Sem conta,
No novelo,
Que sucedeu
Se encher de nós
Enquanto
Assistia,
Com encanto,
Com devoção
A novela
Boboca,
Vazia,
Sem miolo,
Uma profusão
De abobrinha,
Onde a mocinha,
Naquele momento,
Com dor-de-cotovelo,
Vivia
Um sofrimento
Atroz.
Ela,
Desconsolada,
Caiu em pranto.
O marido,
Meio perdido
E com espanto,
Quis dar consolo
E foi repudiado.
Coitado!
Coitada!*
*Não ficou claro para esse assim chamado escriba se a “coitada” foi a mocinha da novela ou a esposa que estava às voltas com a ponta do retrós e caiu em prantos. Se alguém tiver alguma ideia, por favor, entre em contato com Rumorejando, através do blog, ou por telefone. Obrigado.
Constatação XVII
Em certos países, indivíduo desavergonhado é todo aquele que é pego em flagrante.
Constatação XVIII
Não se pode confundir colaço, que o Aurelião, além de “irmão de leite”, define da seguinte maneira: “Fig. Diz-se de indivíduo que tem muita amizade, afinidade ou intimidade com outro” com golaço, muito embora um atacante, amigo do goleiro adversário não possa fazer um golaço nele. A recíproca, nesse caso, só é válida para o goleiro de Pato Branco, no meu estado do Paraná, Rogério Ceni, que costuma fazer gol batendo falta de fora da área ou de pênalti.
Constatação XIX
Artilheiro, hoje em dia, chamado de matador, de time grande, quando volta a fazer gols, depois de um período de jejum, deslancha; já, jogador de time pequeno, em idênticas condições do retro mencionado colega, desembesta. É aquela velha questão de “Ricos & Pobres” que Rumorejando tem publicado, tentando explicar a diferença.
Constatação XX
Ela ficou lívida
Quando ficou ciente
O que o marido,
Eternamente
Com ar sofrido,
O careca,
Feio e barrigudo,
Aquele indecente,
Eterno tormento,
Eterna amargura.
Pro seu coração,
Uma chacina.
Vejam o que ele fez
De dívida,
Gastando tudo
Com a divorciada
Amante.
Dessa vez,
Deu a ela,
Tão viva e sapeca,
Um diamante,
Um apartamento
De cobertura,
Com piscina
E um carrão
De marca sueca
Tão-somente.
Coitada!
Constatação XXI
Rico apalpa; classe média alta xumbrega; classe média, média, patola; pobre, bolina. (Se o caro leitor não estiver de acordo com essa divisão de ordem social, por favor, comentários no blog que, desde que devidamente justificáveis, Rumorejando providenciará as medidas cabíveis. Obrigado).
Constatação XXII
A pena de morte esta institucionalizada em nosso país. Basta ver, por exemplo, os casos de latrocínio e também quando o ladrão se irrita com o pouco dinheiro que a vitima detém na hora do assalto. Em alguns casos, mesmo recebendo um valor alto, mata o assaltado. E já que falamos no assunto, por que será que não há governante que resolva os problemas da Segurança, da Educação e da Saúde no Brasil? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XXIII
O meu Paraná, na estreia do Brasileiro, série B, onde já está indo para o sexto ano como tal, venceu o ABC, em João Pessoa, isto é, na casa do adversário por 2X0. Além de algo para o qual a gente não estava habituado, vale a máxima, proferida por David Ben Gurion, que foi o primeiro Ministro de Israel, em 1948, se referindo a criação do país: “Quem não acredita em milagres não é realista”.
Constatação XXIV
Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), se envolveu numa confusão na calçada de um restaurante japonês no bairro Horto, na zona sul do Rio, na madrugada de domingo. Após ser xingado por um músico e escritor, o prefeito reagiu com soco”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando vem se dando conta que o que corre na Internet com o, digamos, slogan “Acorda Brasil” está começando a acontecer...

Constatação XXV (De outro pseudo-soneto).

Saudades de um pobre interiorano.

De nossa parte é muita ingenuidade
Não se dar conta, tampouco imaginar
Que a gente está sujeito a se estressar
Com o atual transito na nossa cidade.

Além do aumento do número de carros
Há que se levar em conta as barbeiragens
E as colisões, não necessariamente esbarros,
Nem sempre consideradas reles bobagens.

Por tal razão sinto falta de Balsa Nova,
Das lindas flores amarelas da guavirova
E onde passei parte da minha infância.

Na verdade, tenho espírito provinciano
E no interior passa mais lento cada ano
E é bem maior o nosso grau de tolerância.