Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 11 de março de 2012

BRAZIL/MUNDO: EXPLORANDO A FORÇA FEMININA

A FORÇA FEMININA.
www.google.com.br/images  Yes, nós podemos!

Marina da Silva

A intensificação do uso da mão-de-obra feminina, que hoje em vários países já é 50% da PEA (População Economicamente Ativa), incluso o Brasil, e em alguns casos supera o trabalho masculino (Inglaterra) é um fenômeno extremamente importante que vem se desenhando desde as últimas décadas do século passado e fortalecendo-se a cada dia neste século XXI. Qual é o significado disso na atual fase de acumulação de capitais, da reestruturação produtiva, do uso de tecnologias economizadoras de trabalho-vivo, da dispersão geográfica da produção, das altas taxas de desemprego estrutural, da expansão sem precedentes do trabalho precário (terceirizado, sub-contratado, temporário, part-time ou parcial, do trabalho informal, do empreendedorismo social/laranjização (trabalhadores metamorfoseados em empresa), do recrudescimento do trabalho escravo)?
www.google.com.br . Eu sou  melhor...
Análises superficiais do processo da feminização do mercado de trabalho podem inadvertidamente gerar equívocos sobre a intensificação do uso do trabalho feminino atual e confundi-lo com mais um modismo ou pior, tratá-lo como revanchismo feminista - seja lá o que se entenda por isto - contra os homens! Explicações que aventarem tais hipóteses são meros achismos e devem ser rechaçadas com veemência: não é uma coisa nem outra e menos ainda uma revolta silicone.
Homens e mulheres sempre trabalharam desde que desceram das árvores, ocuparam cavernas, lascaram e poliram pedras, descobriram o fogo, inventaram a roda, a cerâmica, a siderurgia, a agricultura, “a família, a propriedade privada, o estado”.
Não é necessário um recuo temporal longínquo para acompanharmos o processo sócio-histórico da divisão do trabalho (social, sexual) na produção da vida humana. Mas é imprescindível apreender como se dá o fenômeno da incorporação da mulher no mundo do trabalho dentro da lógica do modo de produção capitalista. Com o advento da manufatura e o desenvolvimento da indústria moderna – as primeiras máquinas datam do final do séc. XVIII – a utilização da mão-de-obra feminina, dos jovens e crianças tornou-se um dos mais fortes sustentáculos da acumulação capitalista (extração de mais-valia absoluta), isto porque, essa incorporação se dá de forma desigual e degradada.
www.google.com.br/images 8% dos operários da construção civil são mulheres."Que salto alto, maquiagem glamorosa, roupa estilosa, que nada... a moda feminina agora é macacão, cimento, poeira, barulho e muito, mais muito quebra-quebra".

Desta forma o capitalismo não só aumenta a exploração e opressão econômica sobre homens e mulheres como o faz de forma intensa sobre mulheres, jovens e crianças e com o tempo criando uma beligerância crônica entre os sexos, acirrando cada vez mais a competição entre os gêneros.
Destinadas às condições e relações de trabalho mais precárias, recebendo salários menores do que os homens, as mulheres ainda são usadas para o rebaixamento da renda masculina e ambos acabam enredados e emparedados no discurso alienante e deplorável da “guerra dos sexos” que justifica maior precarização, desigualdade de direitos, encobrindo uma exploração predatória do trabalho dos mesmos. É o que vem acontecendo nas duas últimas décadas (anos 90/2000).
www.google.com.br/images.  Pereirão, personagem de Lilia Cabral na novela Fina estampa.
As mulheres estão tomando o trabalho dos homens, invadindo o mercado, dominando o mundo! Propala a mídia. A quem serve este discurso? Aos trabalhadores e trabalhadoras ou àqueles que exploram o trabalho de homens e mulheres pagando cada vez menos por ele? No Brasil, onde termos como subdesenvolvimento, terceiro mundo, país pobre hoje só se aplica às disputas eleitoreiras, uma vez que há algum tempo figuramos entre as maiores economias do planeta - PIB acima de US$ trilhões, Fundo soberano (poupança em dólares) e mega reservas petrolíferas e de gás natural, citando apenas algumas de nossas riquezas - o trabalho feminino sofre com a desigualdade de gênero e de raça (cor da pele). Dados da OIT (Org. Internacional do Trabalho) denunciam que aqui a renda das mulheres brancas, no mesmo nível de escolaridade, é 21% menor em relação aos homens; que trabalhadores(as) negros têm renda 50% menor que os brancos (homens e mulheres); e a renda das trabalhadoras negras é 61% menor do que a renda dos homens brancos.
A inferiorização do emprego da mulher e a exacerbação da competição entre os sexos vêm ganhando força desde o período conhecido como terceira revolução tecnológica e globalização que transformou drasticamente as formas de produção, o gerenciamento, as relações de trabalho enfraquecendo a resistência dos trabalhadores organizados. E neste contexto de altos índices de desemprego, da crescente informalidade, da queda de renda dos trabalhadores, da perda de direitos sociais historicamente conquistados com lutas e mortes que se deu a dominação feminina do mundo.
 Igualdade de direitos e emancipação de mulheres e homens, via trabalho, caso não se efetivem políticas públicas sérias de empregos remunerados decentemente para ambos, não importando se preto, branco, verde ou amarelo, não passará de meta para um milênio...ou mais!