Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 15 de junho de 2016

BRAZIL FAVELA: HÁ TRAMA POR TRÁS DAS NOVELAS...

FAVELA: A ÚLTIMA PARADA
Marina da Silva

“Brasil mostra sua cara, quero ver quem paga pra gente ficar assim” cantava Cazuza nos anos oitenta, pós-ditadura militar, para um país mergulhado em inflação, corrupção, roubalheira, arrocho salarial, pobreza extrema de grande parte da população, insustentáveis índices de violência urbana. E a realidade do país do vale tudo desde então, passou a ser desvelada e denunciada na música, jornais, rádios, revistas, cinema, novelas.
No final dos anos 90, Central do Brasil de Walter Salles (1998) tornou-se um marco histórico do cinema de cunho social ao ser premiado com o urso de ouro no conceituadíssimo festival alemão de cinema - Berlinale.
O cinema nacional revigorado revelou-se a forma mais profícua de debate. Carlota Joaquina, O Quatrilho, Abril despedaçado, Carandiru, Cidade de Deus. A partir de então temas sobre corrupção, politicagem, o mundo miserável nas inúmeras favelas brasileiras e a violência e desmandos de setores policiais e sua ligação com o narcotráfico e tráfico de armas pulou da telona e invadiu a telinha. A pobreza, a desigualdade escancarada entre ricos e pobres no Brasil virou literalmente... novela!
A rede Record do bispo Universal Edir Macedo sai à frente e arrebata o ibope global com Vidas opostas.
www.google.com.br/images. "Vidas Opostas é uma telenovela brasileira que foi produzida pela Rede Record e exibida entre 21 de novembro de 2006 e 27 de agosto de 2007, com um total de 240 capítulos"

Um pulo de gato:  Edir Macedo sai na frente, enxerga um mercado potencial de novelas $1,99: baixos recursos, apropriação da vida, linguagem e gírias dos moradores de favelas, uso e abuso de violência no estilo Datena, programa Brasil urgente, exibido pela rede Bandeirantes. Deixa-se de lado as discussões sérias e prementes sobre violência, corrupção e a abjeta disparidade/desigualdade sócio-econômica, cultural, educacional, habitacional, etc e tal no país e tais questões pouco a pouco vão sendo banalizadas, naturalizadas e incorporadas no cotidiano brasileiro.
A favela vira cenário e sai de cena o conflito social, a acumulação e concentração de riquezas, a manutenção de uma pobreza endêmica necessária ao jogo político, a expansão da violência sobre os pobres e miseráveis que vivem entre fuzis, metralhadoras, escopetas, bazucas e até  “três-oitão” de narcotraficantes e polícia.
A realidade virou ficção e tem seu ponto máximo no fenômeno cinematográfico Tropa de elite, recordista em bilheteria, clonagem, pirataria.
www.google.com.br/images

O filme conseguiu o impensável: desagradar gregos e troianos (críticos de cinema) e de quebra angariar a simpatia de crianças, adolescentes e de todas “As pessoas (que) esperam uma polícia mais violenta, mais agressiva, uma polícia punitiva”, de acordo com o ex-BOPE, capitão Rodrigo Pimentel. E logicamente uma polícia que não só não cumpra a lei como faça leis próprias. “O nosso símbolo (uma caveira, dois revólveres, uma faca) mostra o que acontece quando a gente entra em uma favela (...) matar com eficiência e dignidade”. Capitão Nascimento, o protagonista, na performance impecável de Wagner Moura.
Polêmico, o filme gerou mais bate-boca e disputa de egos do que um debate sério e urgente sobre esta abominável realidade da polícia especializada brasileira, no caso, o BOPE-RJ. Denúncia de corrupção policial, exaltação do BOPE, apologia à violência e ao crime recheado por frases de cunho moral, intolerância e discriminação.  A “classe média”, seja lá o que isto signifique para os produtores, é a única culpada pela violência e outras mazelas sociais do país.
Um festival de fanfarronice que “Apesar da recepção majoritariamente negativa na mídia internacional - a produção brasileira chegou a ser chamada de “fascista” pela revista americana “Variety” - a tropa abocanhou o urso de ouro da Berlinale”. Folha online/17-02-08.
Apesar da "tropa" querer dar-lhe um cunho intelectualóide, um filme que promove  o debate sadio sobre a miserabilidade como são tratados os pobres deste país, ficou a impressão geral de limitações, oportunismo, apropriação sem aprofundamento de questões sobre o caos social da nação e a naturalização da desigualdade e da violência sobre cerca de 34% da população, quase 60 milhões de brasileiros que vivem na corda bamba entre a miséria e/ou  abaixo da linha de pobreza. Os frutos do primeiro governo Lula só iriam aflorar na mídia com o surgimento da Nova classe média Brasil Cde a partir de 2007.
www.google.com.br/images. 2007 é um ano paradigmático para o Brasil: crescimento econômico, Pib 5.7%, fundo soberano a partir de 200 milhões de dólares; descoberta do pré-sal; roubo dos dados do pré-sal; verticalização urbana, destaque excepcional para verticalização das favelas, símbolo da "parte que te cabe neste latifúndio" para milhões de brasileiros e aumento estratosférico da corrupção e roubalheira dos cofres públicos.

O mérito do filme Tropa de Elite 1: um retrato fiel da cara do Brasil, 5º maior país do mundo, hoje, entre as dez maiores economias do planeta, PIB de 5.7% em 2007, auto-suficiente em produção de energia sujas e limpas, detentor de um mercado consumidor significativo em seu próprio território, dono de gigantescas reservas de petróleo e gás descobertos  nos campos petrolíferos  e de gás natural na camada Pré-sal, 200 bilhões de dólares só para iniciar um fundo soberano.
E é provavelmente por tudo isso e muito mais que bananas que o filme mereceu não só o Urso de ouro de Berlim. Afinal, se “não vi e não gostei” (houve falhas técnicas na apresentação do filme ao júri) poder-se-ia especular que o urso como prêmio foi na verdade, a velha tática do colonizador: trocar espelho pelo ouro, pois tudo levava a crer - geopoliticamente falando_ que estávamos prestes a viver uma nova fase colonialista e de partilha das potências emergentes neste século XXI: a Nova ordem mundial?
Tropa de Elite frutificou como Duro de matar e Sexta-feira 13 com n-edições; a teledramaturgia da rede Globo virou Malhação favela de novela em novela até a superação ou sublimação da favela como personagem central de novela em I love Paraisópolis, onde  ficou escancarada a  real trama por trás das novelas sobre as favelas brasileiras
E aos brasileiros, admiradores de futebol, novelas e filmes baratos, perdedores, além das "batatas" restou as sobras: Laranjinha e acerola, Ó pai, ó...é a última parada? Será? O que está por trás das novelas&favelas?
Resultado de imagem para ó pai ó
www.google.com.br/images