Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 12 de novembro de 2011

BRAZIL: "HÁ UM SILÊNCIO ENSURDECEDOR NO AR"...



Leviatã Incorporation S.A & Cia Ltda.
"O problema que enfrentamos é como organizar as histórias de nossas vidas agora, num capitalismo que nos deixa à deriva". Richard Sennett em "A corrosão do caratér".2004
www.goolge.com.be/images Capa original do livro Leviathan. Hobbes escreveu que o caos ou a guerra civil - situações identificadas como um estado de natureza e pelo famoso lema Bellum omnium contra omnes (guerra de todos contra todos) - só poderia ser evitado por um governo central forte.

Marina da Silva


Assim como a política -arte de administrar- o Estado é também uma invenção humana que tem data e hora de nascimento e seu objetivo é, em nome dos cidadãos, governar o corpo social/político garantindo o bom funcionamento da sociedade fazendo valer direitos e obrigações de todos e de cada um! É um “mal necessário”, dizia Hobbes que seguindo a linha de Maquiavel acreditava que o ser humano é mau de nascença, “o homem é o lobo do homem” e só o Estado, o grande Leviatã, pode proteger o homem de si e dos outros através de boas leis, do controle e aplicação da justiça e violência!
E através deste “Contrato Social” os cidadãos abrem mão de suas forças e potências sociais e as coloca como força e potência política nas garras de Leviatã, o Estado. Então o Estado é a forma política de se administrar e o sufrágio (eleições) é o modus operandi a sociedade civil (em países democráticos ou nem tanto) escolher os representantes que a governarão. O povo empresta suas forças e põem-nas nas mãos de políticos para que eles administrem da melhor forma  possível (leia-se racional/científica, com grau de corrupção tolerável)e Para Todos! Estado Capitalista Liberal, Estado Providência ou Welfare State, Estado Socialista; Estado Comunista, etc., é um estado ou mal necessário nos tempos modernos! Para os capitalistas liberais um temível MAL que deveria ter seus tentáculos extirpados ou restringidos a um Estado Mínimo que não atravancasse a ordem econômica laissez faire-laisse passer com suas excessivas regulamentações e freios! Para o Estado Social Democrata o bom estado é aquele “nem tão ao céu nem tanto a terra”, mas que promova um certo Bem-Estar Social! Já para o Estado Socialista/Comunista quando mais Estado melhor, pois esse estado é o Único Partido! E tudo iria bem se a lógica capitalista não fosse um processo de expansão contínua e em escala cada vez mais gigantesca sobre fronteiras, bandeiras, moedas, povos, culturas, credos, enfim, sobre deus e o diabo! E é exatamente o atual ciclo de expansão capitalista, a acumulação flexível, que se iniciou com a “terceira revolução tecnológica” que alterou irreversivelmente a noção/percepção de tempo/espaço, as formas de produção, o gerenciamento, as relações sociais de trabalho que vai dar um “tapa” naquilo que entendíamos ser a função do Estado Moderno! Quem diária que o diabo, ops, Estado, de Mal Necessário à sociedade e ao liberalismo econômico viesse a se tornar virtude, o maior Bem privado da atual fase de acumulação capitalista, não apenas flexibilizando, mas corrompendo, corroendo e destruindo o Contrato com a sociedade civil apropriando e expropriando todos e tudo na maior empresa capitalista da história: a globalização!
Mosaico com fotos de BH-marcha contra a corrupção e  do movimento Occupy wall Street pelo mundo todo  www.google.com.br/images

Certo é que o Estado sempre se metamorfoseou em Empresa, em vários momentos da História capitalista como grande sócio ou mesmo único ator, empreendedor e indutor do crescimento: na Europa e Japão nos pós-Segunda Guerra Mundial; na China com a Revolução Popular Comunista; no sudeste asiático alimentando “Os Tigres”; no Brasil com Vargas, JK passando pelos militares, Sarney, Collor, até chegar ao Estado Necessário, Via Rosa ou Socialismo Possível de FHC/LULA/DILMA! Com a reviravolta neoliberal (final dos anos 70) o Estado ficou fora de ordem e tudo que era solidamente público e lucrativo foi privatizado, virou pó! Transformar o Estado literalmente em Empresa foi e vem sendo o “pulo do gato” do capitalismo liberalmente flexível e globalizado! De Leviatã, um Mal para combater/conter a competição/destruição desenfreada entre homens e lobos capitalistas pela dominação e concentração das riquezas socialmente produzidas o Estado não apenas virou Empresa Monopolista Privada como rompeu o “Contrato” com a sociedade e vem se colocando como opositor/antagonista da mesma! Leviatã Incorporation, este foi o pior pesadelo que a eleição de Barack Obama provocou nos capitalistas estadunidenses! Mas até chegar a Obama o neoliberalismo foi tomando forma no Primeiro Mundo com a desintegração da União Soviética, derrocada do leste europeu, unificação da Alemanha em 1989! Estado Mínimo, Terceira via, Estado Necessário, Via Rosa, Socialismo Possível! Paulatinamente, países europeus ícones do Estado do Bem-Estar Social (Welfare State) foram tombando um a um à inflexível voga neoliberal! O Brazil entrou no eixo nos anos noventa sob a batuta do FMI/Banco Mundial abrindo-se ao mundo e tornando-se desde então uma empresa privada, fazendo uso de estratégias torpes de Estatização da pobreza  e transferência/concentração de riquezas através de OP’s- obras públicas (gigantesco escoadouro do Erário); PPP’s- Parceria Público Privada e repasses do dinheiro público a ONG’s e OG’s de fachada!  Tudo balizado e fundamentado em discurso da ciência administrativa; adoção de suas práticas e palavras de ordem tendo como CAIXA o BNDEs- Banco Nacional de Desenvolvimento social e bancos estaduais de desenvolvimento. Planejamento estratégico, práticas sustentáveis, desenvolvimento sustentável, governança (toma-lá-dá-cá entre políticos), responsabilidade fiscal, “fazer mais com menos”, choques de ordem e choques de gestão! Os burocratas travestem-se ou contratam tecnocratas e utilizam de todas as vias para desviar(?) o dinheiro público para indivíduos e/ou grupos empresariais submetendo a sociedade às instabilidades econômicas da reestruturação produtiva, relocalização industrial, jogatinas financeiras, sem falar no “socorro” nas crises financeiras,  “marolinhas" que permitem o repasse de grandes riquezas! Hoje o Capitalismo Comunista chinês (voluntarismo/tirania ideológica sobre a mão-de-obra) é a ordem econômica e a Democracia e estatização da pobreza/ miséria do Brasil (alta concentração de riquezas, estrangulamento da classe média, salário sempre Mínimo à sobrevivência, distribuição de bolsa-esmola, louvor a “nova classe média Brazil –CDE...Z) ditam a moda! Onde tudo isso vai parar? A corrupção e corrosão  do Estado transpuseram os limites do suportável; a legitimidade dos representantes eleitos está em xeque e uma TEIA se espraia na web pelas redes sociais!
"Mas sei que um regime que não oferece aos seres humanos motivos para ligarem uns aos outros não pode preservar sua legitimidade por muito tempo". Richard Sennett

“Aonde nos levarão as vozes roucas das ruas”? É o que os analistas, cientistas, políticos, economistas sequer suspeitam e necessitam urgentemente saber!

"O fracasso não é mais perspectiva normal apenas dos muito pobres ou desprivilegiados; tornou-se mais conhecido como um fato regular nas vidas da classe média. A dimensão decrescente da elite torna mais fugidia a realização. O mercado em que o vencedor leva tudo é uma estrutura competitiva que predispõe ao fracasso grandes números de pessoas educadas." Richard Sennett