Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

RUMOREJANDO...OUTUBRO ROSA

RUMOREJANDO


PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES
Constatação I
Millôr Fernandes, um dos gurus deste assim chamado escriba, no seu
 livro A Bíblia do Caos, abordando o Eterno Retorno escreveu: 
“A terra volta a terra, a cinza à cinza, o pó ao pó”. E completou:
 “Tudo bem, mas, e a conta numerada na Suíça?” Dúvida crucial de 
Rumorejando: Qualquer semelhança com fatos, coisas e 
pessoas – principalmente, àquelas que querem ser chamadas de 
Vossa Excelência e que vem aparecendo, nos dias atuais, no 
noticiário na mídia – é, ou não, mera coincidência? Quem souber
 dar a resposta, por favor, comentários no blog para podermos 
informar os nossos prezados leitores. Obrigado.

Constatação II
E já que falamos no assunto, alguns governantes esquecem, ou não
 fazem questão alguma de lembrar que a ambição pelo Poder pode
 até ser meritória, pois ela pode representar uma intenção de que se
 vá para frente. No entanto, a quase totalidade é aética, levada pela,
 algumas vezes, execrável “o fim justifica os meios”. E este “fim”
 é o fim... Pena!...

Constatação III (De mais uma dúvida crucial).
Por que antes da CPMF não se pega de volta o dinheiro que foi 
surrupiado da Petrobrás e demais órgãos governamentais?

Constatação IV
Em certos países, os governantes, por razões políticas, em alguns casos – 
por não querer colocar azeitona na empadinha do antecessor do partido 
rival –, ou por incompetência mesmo, não dá andamento à obra já
 começada, alegando as mais disparatadas razões. Outras vezes, a obra 
tem importância, quando entra a variável corrupção, representada 
por reajuste do contrato com o empreiteiro, aí com sobre preço, ou 
com adiantamento de pagamento das parcelas sem que a obra jamais
 recomece o seu andamento. Como se pode constatar, a feitura de
 certas obras independe da sua real necessidade... 

Constatação V
E como elucubrava aquele idoso amante da matemática: 
“A falta de ereção ocasiona até a eliminação da fantasia sexual.
 Diretamente proporcional, portanto. Em alguns casos, acirra a 
nostalgia. Também diretamente proporcional”.

Constatação VI (De mais uma dúvida crucial).
Às vezes a gente fica matutando: Será que o assessor que 
escreve os discursos da presidente (a), o chamado, pelos que
 gostam de esnobar suas – deles – falas, “ghostwriter” 
(escritor fantasma) não quer colocá-la no ridículo? Quem
 souber, por favor, comentários no blog. Obrigado.

Constatação VII (De outra dúvida crucial).
Você também não é daqueles que acham, como este assim
 chamado escriba, que escutar, ler ou assistir na televisão 
o noticiário é ser masoquista?

Constatação VIII (De diálogos com gente de fora e curitibanos).
“E como é o clima na tua cidade, Curitiba?”
“É que nem as mulheres. Difícil de entender”...

Constatação IX
Quando o obcecado leu na mídia, mais precisamente no site do
 Estadão que “Playboy deixará de publicar mulheres nuas”,
 comentou sabiamente: “As vendas, fatalmente irão para o
 espaço, ou o dono da revista é adepto dos esportes, 
fatos e coisas radicais”.

Constatação X
E como poetava se lamentando outro obcecado, nada a ver com o citado acima:
“A minha triste sina
É que baixei em alguém,
Vestido de saia
Que, ao me ouvir, quase desmaia
Era um padre, gozador, de batina
Que me olhou e só disse: Amém”.
Constatação XI
Penei um dia inteiro
Pra acender meu isqueiro.
Havia ganhado um charuto.
Acendi e fiquei uma ira
O isqueiro parecia uma pira.
Que me queimou até o cocuruto.
Constatação XII
Assistiu às novelas,
Todas, num mesmo dia.
Ficou com dor nas costelas
Achou que era uma cardiopatia.
Constatação XIII
Foi o boêmio,
Frequentador de bar,
Que se dizia abstêmio
E grande artista
Que virou um turista
No seu próprio lar?
Constatação XIV (Quadrinha de seis estrofes. 
Sextinha?)
Contratei dois advogados
Pra me defender dos detratores
Passei uns maus bocados.
Os dois eram dois senhores
Que exigiam ser chamados
 V. Excelência e de doutores.

Constatação XV (Quadrinha didática).
Desfrute a tua vida
O não mais poder.
Toda mulher é querida
Quando não tem o que fazer.

Constatação XVI (De uma dúvida crucial).
Afinal, o meu Paraná precisa de um matador ou de
 um desenterrador?

Constatação XVII
E como o seresteiro cantava, debaixo da janela da sua mais recente
 namorada, passível de mal-entendido: “Abra tuas fronteiras do 
caminho que eu quero passar com meu passarinho”. Sem dúvida
 ele estava parodiando aquela famosa canção A Flor e o Espinho
de Nelson Cavaquinho, Guilherme de Brito e Alcides Caminha e 
que começa assim: “Tire o seu sorriso do caminho/Que eu quero 
passar com a minha dor/Hoje pra você eu sou espinho/Espinho
 não machuca a flor”. Vige!

Constatação XVIII
Deu na mídia: “Estudo mostra que 80% pega carona com quem bebeu”.
 A Lei Seca deveria ser estendida também aos carros que não poderiam 
dar a partida em função do teor alcoólico somente do motorista, mesmo
 se o meio de transporte seja movido com etanol...

Constatação XIX (Gangorra).
Quando as vendas do comércio e da indústria caem com a crise,
A pressão arterial sobe até os píncaros da marquise.

Constatação XX (De uma dúvida não necessariamente crucial).
Numa corrida com apenas dois participantes quem perde fica em segundo
 ou em último lugar, ou nos dois?  O pior é se com apenas dois participantes 
o que perdesse ficaria
 “surrealisticamente” em terceiro lugar?

Constatação XXI (De uma quadrinha para ser recitada nestes 
tempos moderníssimos). 
Hoje em dia é moda
Que a lua-de-mel
Seja antes da boda.
Após, é sarapatel*
* Sarapatel = “mistura de coisas sem ordem; confusão, balbúrdia, 
algazarra; rolo” (Houaiss).

Constatação XXII
A gueixa
Penteou
A madeixa
Ofertou
Uma ameixa
Ao seu acompanhante
E desfilou
Uma queixa
Nada instigante.
“Por que você não
Me deixa
Inebriante
E depois eu tentar
Achar
Uma solução
Que enfeixa
O meu
E o teu
Coração?”
Constatação XXIII
O caradura,
Sem oferecer,
Comeu toda a rapadura.
Será que estava pensando,
Imaginando
Que ia morrer?
Constatação XXIV (Diálogos difíceis de choque de gerações e, 
qual os 3 Poderes da República,  de solução duvidosa).
Quando o filho de dezesseis anos foi pedir um “empréstimo” para o pai, este, 
incontinente, contestou: “Mas filho, você não tá se dando conta que a crise
 financeira já está mexendo até com o mercado de emprego no mundo inteiro”.
“É por isso mesmo, pai. Eu também estou em crise e não posso recorrer a um
 empréstimo bancário porque os juros estão muito altos, os prazos diminuíram
 substancialmente e o senhor não vai querer ser meu avalista, como o banco, 
fatalmente, vai pedir. Aliás, banco não pede. Exige. Estou procurando a maneira
 de não lhe incomodar e não lhe causar transtornos”.
“Ah, bom, quer dizer, ah, ruim! Quero dizer... 
Bem, depois a gente volta a falar no assunto. Agora estou muito ocupado”.
Constatação XXV (Muito antes pelo contrário).
O campeonato brasileiro
Está chegando ao fim
Quem chegar em  primeiro
Não levou um chá-de-alecrim*.
*Chá-de-alecrim = “Surra (maltrato)”  (Houaiss).
Constatação XXVI
Deu na mídia: “Urina purificada servirá de água potável para astronautas”.  
Não estará aí uma solução de que o que é factível para os astronautas será a 
solução para escassez de água para todos os habitantes do nosso maltratado Planeta?
Constatação XXVII (Quadrinha para ser recitada alhures).
Na época que eu fui um infante
Não entendi nem por um instante
Quando a mestra falou: “É de pequenino
Que se torce pro Paraná e o pepino”.
Constatação XXVIII
Não se pode confundir premissa, que o dicionário Houaiss dá como: 
“2. P. ext. Fato ou princípio que serve de base à conclusão de um 
raciocínio” com preguiça até por que, a maioria dos terráqueos, 
por preguiça, má fé – caso da maioria dos políticos – e outros 
quejandos usa de uma premissa , evidentemente falsa, para engabelar
 o seu interlocutor que, em muitos casos, crê piamente no que lhe
 está sendo dado a escutar. Coitado!
Constatação XXIX
E não se pode confundir polpudo, que o dicionário Houaiss dá como “Que tem
 abundância de polpa; carnudo, polposo” com papudo, que o mesmo dicionário 
dá como “5. Bras. Fam. Indivíduo jactancioso, blasonador, bravateiro: Conheceu, 
papudo?; Quero ver quem é o papudo que se mete aqui com o degas. 6. Bras. Gír. 
Aquele que tem bom papo (8); bom conversador,  muito embora  tenha muito
 magricela que se põe a contar vantagem que até pescador, acostumado a ouvir 
causos, naturalmente longe da verdade, duvida...
Constatação XXX
O chamado trio de ferro, os assim chamados Coritiba, Atlético e Paraná não 
conseguem virar ao menos limalha de ferro. Estão se esboroando com altos 
riscos de cair. Vige!

Constatação XXXI (Quadrinha para ser recitada por crianças e adultos 
em nosso sofrido país).
Lula quer que tirem Joaquim Levy;
Muitos querem ver Lula na prisão.
Isso tudo se passa diante de nós aqui
Enquanto isso se vê solta a inflação.

Constatação XXXII (Quadrinha para ser recitada por alguém que 
preconiza a moral e os bons costumes).
O mundo, segundo alguns, ia acabar
E não foi desta vez que acabou.
Deve ter sido cantada pra faturar
Alguma gata renitente que sobrou.

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico tem impressora a laser; pobre, papel carbono; quando aumenta o salário 
mínimo, mimeógrafo a álcool.
Constatação II
Rico é empírico; pobre, nunca leu um livro na vida.
Constatação III
Rico comemora o ano novo; pobre, comemora que seu time não caiu na Terceira Série do futebol.
Constatação IV
Rico, se necessário, além do cursinho, pega professor particular para os filhos enfrentarem 
o vestibular; pobre, quando não desiste ainda no Primeiro e Segundo Graus, eventualmente, 
faz o Enem.
Constatação V
Rico realiza seus sonhos; pobre, sofre de insônia.
Constatação VI
Rico frequenta a igreja; pobre, o terreiro.
Constatação VII
Rico tem equipamento eletrônico de última geração; pobre, telefone celular para poder 
vender os seus serviços.
Constatação VIII
Rico tem visão de mundo; pobre sofre de miopia.
Constatação IX
Rico vai jogar sua sorte em cassinos; pobre, depois de comer bóia-fria, joga um truquinho,
 na hora do almoço, com os demais colegas da obra.
Constatação X
Rico faz uma festona de 15 anos da filha; pobre, uma singela festinha onde os convidados
 tem que trazer um prato feito.