Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 23 de junho de 2011


OS JARDINS DOS NOBRES
Sérgio Antunes de Freitas


Há muitos anos, um amigo em comum me convidou para assistir a uma palestra do paisagista Roberto Burle Max.
Foi em um final de tarde, no Teatro Nacional de Brasília. Eu estava cansado por um dia de trabalho complicado. Mesmo assim, fui para não perder a oportunidade de ouvir o grande artista, pois eu também cheguei a trabalhar com a execução de jardins durante muito tempo e era fã de seu talento, como sou até hoje.
Ele parecia nervoso, se esse não era o seu jeito mesmo, e reclamou bastante do governo local, por não dispensar os cuidados necessários aos seus jardins.
Nisso, concordei com ele, pois eu mesmo sou testemunha dessa desídia, em geral, e de um caso no qual um de seus jardins foi destruído, para a construção de uma espécie de palco ao ar livre, de gosto e necessidade muito duvidosos.
Já vi muita gente sair lá do outro lado do mundo para ver os jardins de Burle Marx, mas nunca vi alguém elogiando a arquitetura do tal palco de gosto duvidoso.
Entretanto, naquela palestra, uma manifestação me incomodou: a reclamação do paisagista, pelo fato de o governo permitir aos mendigos fazerem de suas obras “casa e casinha, ou seja, neles moravam e faziam suas necessidades fisiológicas.
Na hora, aquilo me soou como falta de sensibilidade social e, por isso, meio decepcionado, me retirei da palestra, sem que nosso amigo em comum percebesse.
É certo que, nos jardins em volta de igrejas, é comum encontrar o mesmo problema, como resultado da falta de educação, de problemas sociais ou de indesejáveis momentos de incontinências.
Há alguns dias, fiz uma ligação de idéias entre o episódio e outra informação que recebi e ainda não comprovei se é verdade.
Durante o Renascimento, na Itália e na França, começaram a fazer jardins cujas características são conservadas até hoje e ajudam a manter as rentáveis atividades de turismo.
Geralmente, eram feitos em frente aos palácios. Bastante marcantes são aqueles que se utilizaram de buxos, ciprestes e outros vegetais, com facilidades de podas, criando cercas-vivas e formando labirintos, com preferência das formas geométricas em desenhos bem definidos.
Em princípio, era apenas uma manifestação estética típica da época, com as finalidades comuns à maioria dos jardins no mundo, locais de meditação, de descanso, de deleite.
Entretanto, a informação recebida indicava não serem os banheiros muito comuns, até a época de Luís XV, o que é verdade, embora o vaso sanitário moderno exista desde 1600 aproximadamente. Por isso, os jardins deveriam permitir que as rainhas e princesas pudessem adentrá-los e usá-los como “casinha”, tendo suas privacidades absolutamente resguardadas, apesar daquele mundo de saias, anáguas e saiotes. Não podemos deixar de afirmar que se tratava de um costume nobre.
Por sorte, fui jardineiro somente no século XX!
Pela importância desse tipo de espaço urbano, também não podemos deixar que aspectos conjunturais maculem as belas imagens que nos legaram aqueles artistas, muitas vezes anônimos, mas não menos importantes para a história.
O romantismo desses belvederes deve ser mantido, assim como em uma provável cena ocorrida em algum desses palácios.
Na hipótese, a princesa, casta e apaixonada, de uma das janelas palacianas iluminadas pelo sol da manhã, segue o amado com seus olhos azuis e exclama para si mesma: - “Oh! Como é maravilhoso ver meu lindo príncipe, lépido e garboso, com seus cabelos loiros ao vento, após uma noite de festas, correndo por entre os ciprestes.”

Sérgio Antunes de Freitas
                                          www.google.com.br/images Quando uma imagem vale mais que mil palavras!