Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 18 de março de 2015

BRAZIL: COM O FULECO NA MÃO...

O NOIVO, A NOIVA E A TUCHINA
Resultado de imagem para oxiurose 
www.google.com.br/images
Sérgio Antunes de Freitas

Não encontrei o termo “tuchina” ou “tuxina” nos dicionários.
Entretanto, na Internet, é possível confirmar que esse é o nome popular para o oxiúro, conhecido cientificamente como Enterobius vermicularis ou Oxiurus vermicularis. É o causador de uma verminose intestinal, a enterobíase, oxiuríase ou oxiurose.
A oxiuríase é parasitose comum, cujo principal sintoma é uma coceira anal, geralmente intensa e com predomínio noturno, o que costuma atrapalhar o sono dos indivíduos acometidos, com pesadelos pornográficos provavelmente. A melhor forma de evitá-la é a boa higiene. Por isso, muitos higienistas recomendam que se deve lavar sempre o local preferido da coceira e não apenas limpar com papel higiênico, bem como lavar as mãos sempre antes de sair do banheiro.
E aqui termina nossa recomendação de utilidade pública, a fim de passarmos ao relato de um casório em uma cidade média no norte do país.
Resultado de imagem para casamento noivos ajoelhados
ww.google.com.br/images

Os esponsais já estavam ajoelhados em frente ao vigário, quando o noivo sentiu, pela primeira vez na vida, o sintoma mais viperino da oxiuríase, o temido comichão.
De repente, os convidados começaram a observar que os sapatos novos do nubente, ainda com selinhos de fábrica, se viravam para dentro e para fora. E os joelhos se juntavam e se distanciavam, às vezes, em movimentos rápidos.
E ele pensava em seu claustro de tortura: - Será que logo agora vou sentir vontade de mudar minha opção sexual?
Por outro ângulo, via-se que seu olhar estava fixo em direção a um santo do altar, como se estivesse rogando um milagre. E torcia a boca, chegava o queixo à frente, mastigava o vazio com só um lado da boca, lacrimejava!
Até que o padre perguntou se ele estava se sentindo bem e o convidou a ir até a sacristia.
O moço pareceu aliviado com o convite e pediu para ir ao banheiro. O padre retornou com semblante tranquilo, dizendo que o futuro casado já voltaria para a continuidade do matrimônio. Todos riram discretamente, achando que era algum efeito da despedida de solteiro.
Na volta do tempo técnico, o alfaiate, com seu olho de profissional, foi o único a quem pareceu estarem as barras da calça do terno do noivo mais curtas pelo lado de dentro. – Como é que eu fui cometer esse erro? – pensou.
O noivo sorriu, ajoelhou, mas não aquietou!
A titilação só aumentava e, para ele, o tempo foi uma eternidade de contrações!
Chegou a hora do juramento. Por um ato falho, ou pedido de socorro inconsciente, mas que todos apontaram o momento emocional como causa, o noivo vacilou, gaguejou e errou:
- Eu te prometo, Ai... Ai... Ai... Aída Maria, ser fiel, amando-te e respeitando-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na coceira...”
Todos riram e ele aproveitou para rir também, se movimentando mais um pouco. Qualquer movimento era bem-vindo, como um bálsamo!
E na hora do beijo? Ele abraçou a amada com gosto e se sentou na quina da cadeira, como se precisasse de equilíbrio.
Nunca uma noiva foi beijada no altar com tanto afinco. E, pulando sentadinho, ele não queria parar o ósculo abençoado.
Resultado de imagem para coceira em casamento
www.google.com.br/images
As madrinhas choravam de emoção e todos aplaudiram.
Como arauto da bonança, ouviu-se a música do fim da cerimônia. Um som alegre, bem ritmado, movimentado, convidativo à dança.
E ele saiu bailando, levantando os braços pra cima e jogando o corpo pra frente e pra trás.
A noiva era só felicidade! Jamais imaginou que seu amado ficaria tão feliz em se casar com ela. Desejou que aquela dança jamais terminasse e tentava atrasar a saída do templo.
Ele, ao contrário, a puxava pelos braços, dava duas voltas e ganhava mais uns metros valiosos.
O padre olhava de longe e comentava com seu ajudante: - Nunca casei um sujeito mais alegre e esquisito! Mas, espera, parece que há outros.
Sim, os convivas também resolveram sair dançando, em uma confraternização pelo amor e pela união entre os dois românticos recém-casados.

Sérgio Antunes de Freitas
13 de março de 2015