Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 12 de maio de 2014

BRAZIL: PEQUENAS CONSTATAÇÕES EM RIMAS PRIMAS!


RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES. 
Constatação I 
Não se pode confundir afetiva com efetiva, até por que a sua namorada afetiva, por circunstâncias diversas, não poderá ser efetiva. No Dia dos Namorados, lá no motel, muito provável que ela seja, na hora do bem-bom, considerada afetiva. Veja, se quiser, é claro, o soneto a seguir, que consta no livro mais recente desse assim chamado escriba, intitulado 150 Sonetos e 1 Sonetão e que fala com muita propriedade do assunto, escrito na data de 8 de março de 2013, um dos demais 364 dias do Dia Internacional da Mulher ou 365 dias, para o ano bissexto.

                   Recordando...

Houve entre nós muita lubricidade,
Quase excesso de voluptuosidade,
Chegando às raias da licenciosidade
Sem a existência da mínima castidade.

E mais, não pouca libidinagem.
Até mesmo algo de libertinagem.
Alguma ou outra, digamos, sacanagem
E claro, indispensável bolinagem.

Bastantes beijos, uma profusão.
E no ar uma forte sensação
De bem-estar. Tudo, sem censura!

E no auge de tantos abraços
Sobrou e não foram pedaços,
Um mar, um mundo de ternura!

Constatação II
As discussões em torno de se Pelé foi melhor ou não do que Maradona e se Messi é melhor ou não do que Cristiano Ronaldo sempre foram, são e serão de transcendental importância para o futuro da Humanidade. Vige!
Constatação III
E como dizia o obcecado se despedindo, pelo telefone, da gata que pretendia conquistar:
“Beijos! Provisórios, hein!”
Constatação IV
E como dizia o faquir, explicando a teoria da relatividade para principiantes, depois de jejuar um largo período de tempo: “Mais vale um sonho na mão do que dois chineques na vitrine”.
Constatação V
Crônicas da Natureza, volumes I e II de autoria do Engenheiro Civil e Físico Prof. Vicente Roberto Dumke, com a coordenação de Sérgio Mascarenhas e ilustrações de Ademir Paixão são dois livros para serem degustados, como um bom vinho e para aprender um pouco de ciência de maneira sutil e divertida. O Professor Dumke é prata da casa. Formou-se em engenharia civil pela então Escola de Engenharia da Universidade do Paraná. Doutorou-se pela USP de São Carlos. Fez pós-doutorado em Princeton. Como diriam os críticos: “Leitura imperdível”.
Constatação VI
E como recomendava, ensinando para os mais jovens, o obcecado: “Nunca deixem de levar para o motel amanhã quem vocês podem levar hoje”.
Constatação VII
Não se pode confundir currículo com cubículo, muito embora o currículo da maioria dos políticos seja digno de colocá-lo na cadeia preferencialmente em um cubículo para que fique longe das suas – dele – malévolas e condenáveis intenções.
Constatação VIII
Deu na mídia, mais precisamente no site do Estadão: “Sentença do mensalão foi 80% política e 20% jurídica, afirma Lula”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejandoacha que o ex-presidente deve ter um medidor automático de rigor para medir percentuais para chegar a tal grau que só ele supõe ser de precisão. Ainda bem que ele foi contestado pelo Desembargador Joaquim Barbosa, muito embora, data vênia, como diriam nossos juristas, Rumorejando acha que não seria necessário tal é a estapafúrdia afirmação do ex-presidente da nossa sofrida República. Vige!
Constatação IX
Liguei pro celular dela
Só pra dar uma olhadela
Se eu podia dar uma chegadinha.
Ninguém me atendeu.
Será que ela esqueceu
Que, conforme combinado, eu vinha
Ou de pagar a conta que venceu?
Constatação X (De uma dúvida crucial)
E já que Rumorejando vem falando sobre determinados assuntos, um cara empírico, do alto da sua autossuficiência, é àquele que enuncia leis, que ele considera axiomaticamente evidentes, mas que só ele é quem entende e mais ninguém?
Constatação XI
Quando
Me dei 
Conta
Do que vinha
Supondo
E realizei
Que aquela gatinha,
Adorável,
Sempre afável,
Tão sozinha,
Se entregou
A mim,
Num amor,
Num ardor
Sem fim,
Apaixonadamente,
De corpo e alma
E me amou,
De maneira
Inenarrável,
Somente
Por aquilo que sou,
Daí,
Até a calma
Perdi;
Muita asneira
Cometi
E, claro, me senti
No paraíso,
O mais feliz dos mortais.
Aí,
Me lamentei
Que havia chegado 
Ao fim
E de saudade,
Copiosamente,
Chorei,
Alternando,
De vez em quando,
Àquela felicidade,
Como um sobreaviso 
Daqueles transcendentais.
Coitado...
De mim...
Constatação XII
Quem foi que disse
A insana tolice
Que a meiguice
É apenas uma pieguice?
Constatação XIII (De uma quadrinha para ser recitada em festa infantil, como apologia daquela outra: Batatinha quando nasce...).
Mensalão quando renasce,
Se esparrama pelo congresso 
Os pais da pátria entram em recesso
Ganhando uma nota sem mostrar a face.
Constatação XIV
Quando o obcecado leu na mídia que os canadenses gostam mais de televisão e internet do que de sexo, cuspiu para o lado, com enfado, e proferiu meio que versejando na sua presumida sapiência: “Efetivamente a Humanidade está decadente. Eles precisariam conhecer como é um país tropical e, particularmente, o magnificente desempenho deste humilde mortal”.  
Constatação XV
O Congresso, em certos países, dividido entre Situação e Oposição, vive se digladiando. Claro que, primordialmente, por razões político-físicas. As políticas são para ganhar eleições e deter o Poder. As físicas se referem à Lei de Newton. Aquela que diz que a toda ação corresponde uma reação igual e em sentido contrário. Basta a Oposição ameaçar por um lado em investigar determinado proceder da Situação que esta ameaça estender a investigação para a época que a Oposição era Situação. Aí, entram, digamos, as pessoas dos panos quentes. São os que, absolutamente, não querem ver o circo pegar fogo. Afinal, o que tem de gente com o rabo preso por aí, não está nem na Enciclopédia Britânica. Enquanto isso, o prezado leitor pode imaginar o que acontece com os interesses da Nação. Os interesses do povo. Quem não conseguir imaginar deve ter algum interesse oculto...
Constatação XVI (Quadrinha para ser recitada alhures, evidentemente, desde que tenha gente disposta a escutar).
Juntei os meus trapos com ela
Afinal, era um grande amor.
Um dia quis dar uma escapadela
Não tenho culpa se nasci assediador.
Constatação XVII
Quando o conquistador barato, obcecado e convencido leu, na mídia, que o dia 31 de julho é o Dia Internacional do Orgasmo disse com ar de desprezo: “Para mim, todo o dia é o Dia Internacional não apenas de um orgasmo, mas de vários, para não dizer de infinitos”.
Constatação XVIII (Conjugação do verbo ladroar no presente do indicativo. Talvez algum dia, imediato ou pelo menos em prazo curtíssimo ele seja abolido e considerado para ser conjugado somente no particípio passado, como os impessoais, por exemplo, chover, latir, etc... Sonhar é preciso...).
Eu roubo
Tu surrupias
Ele afana
Nós gatunamos
Vós fraudais
Eles empalmam
Constatação XIX
Do meu amicíssimo Sérgio Antunes de Freitas: “Eu não tenho medo de morrer. Tenho medo é de ser esquecido por quem eu quero ser lembrado. Ou de ser lembrado por quem eu quero ser esquecido”.
Constatação XX
Maduro ainda estava verde quando passou a presidir a Venezuela? (Perdão, leitores).
Constatação XXI
Deu na mídia, mais precisamente no site do Estadão: “Rio: 45 ônibus foram queimados em incêndios criminosos neste ano”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejandosupõe que os incêndios só podem ser causados apenas por pessoas que são mais adeptas do metrô como meio do transporte... Vige!
Constatação XXII (De uma quadrinha para ser recitada por um obcecado convencido em uma roda de amigos através de um laivo de bazófia).
“Parodiando Luis XV que disse ‘depois de mim, o dilúvio’,
Depois de mim, ninguém, já que faço tanto bem pra seu hormônio.
Afinal, não tenho culpa de ser gostoso e de ter um ótimo eflúvio
E de usar com proficiência o meu maior e invejável patrimônio”.
Constatação XXIII (De outra quadrinha também para ser recitada por algum outro obcecado, também convencido, com ou sem bazófia, mas certamente com egolatria).
Parodiando Luis XIV que disse ‘O Estado sou eu’
E que amava as mulheres e teve duas amantes.
Eu tive bem mais que duas fora o meu himeneu
Sem contar as súditas que eu tive bem antes.
Constatação XXIV
Falou a sua lindíssima atendente da banca:
“Quem ama o feio, bonito lhe parece.
Acho você muito feia com a sua carranca”.
E ela, rindo as pencas: “Vê se me esquece”.

Constatação XXV (De outro pseudo-soneto).

          Terapia também ocupacional

Vivia com uma cara circunspecta, enfarruscada,
Até que conheceu um sujeito bem apessoado 
Era um probo cavalheiro com quem acabou casada
E viveu tão feliz que ficou com medo de mau-olhado.

Essa felicidade foi perene, eterna, quase ilimitada,
O cara era de gênero, número e grau obcecado,
Que comparecia todo dia na sublime empreitada
Sem jamais ficar com fadiga, exausto, extenuado.

Ela achou em emprego de elevado cunho social,
Orientando noivas, moças casadoiras em potencial.
Ensinando na sua faina com júbilo de viver a vida,

As orientadas não captavam o porquê de tanta alegria,
Que não cessava, não era atenuada, sempre com simpatia
Por que será que ela se mostrava de um jeito tão querida?

Constatação XXVI (De uma dúvida crucial).
Ah, esse nosso vernáculo: Por que o plural de pão é pães e o de salão é salões? Quem souber, por favor, comentários no blog. Obrigado.

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico é insistente; pobre, é chato.
Constatação II
Comerciante rico tem colega; comerciante pobre tem concorrente.
Constatação III
Beber, pra rico, é salutar; pra pobre, mal-estar.
Constatação IV
Rico tem fibra; pobre nem vibra.
Constatação V
Rico é empírico; pobre, enrolado.
Constatação VI
Rico gosta de aparecer; pobre trata de sumir.
Constatação VII
Rico incessantemente se locomove; pobre, vive eternamente estático.
Constatação VIII
Rico liga o som do carro em muitos decibéis; pobre, não abre nem a boca.
Constatação IX
Rico vai à praia ou à montanha quando faz calor; pobre, continua a usar a mesma roupa que usou no inverno.
Constatação X
Rico divaga no meio das vagas de um passeio em um cruzeiro marítimo; pobre, procura uma vaga para preenchimento de emprego. 

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br 
Site: www.rimasprimas.com.br